Com embargo da UE, preço da carne deve cair no Brasil

O resultado imediato do embargo à entrada de carne bovina brasileira na União Européia (UE), anunciado hoje, será a pressão de baixa sobre os preços internos da arroba de boi gordo, avaliam analistas. Isso porque as exportações para o bloco devem cair de forma significativa, sobrando mais carne no mercado interno, o que deve influenciar na formação do preço do produto.Apesar da paralisação do mercado de boi gordo para exportação, por enquanto os preços pagos pela arroba seguem praticamente estáveis entre R$ 75,50 e R$ 76 para descontar o Funrural, a prazo, no interior paulista.Na prática, as compras de animais para abate estão paralisadas nesta semana, pois os frigoríficos já temiam que os importadores europeus suspendessem os embarques em fevereiro, por causa da discordância da União Européia em relação ao número de fazendas certificadas para exportação. Na segunda-feira, o Brasil entregou à UE uma lista de fazendas autorizadas a exportar carne quase nove vezes maior que Bruxelas esperava receber e irritou os negociadores europeus. A lista do governo tem mais de 2,6 mil fazendas credenciadas.No fim do ano passado, Bruxelas anunciou que estava impondo novos limites às exportações brasileiras por questões sanitárias. O governo brasileiro passou então a verificar cada uma das fazendas e, pelos critérios exigidos pelos europeus, certificou mais de 2,6 mil propriedades.Mas os europeus já haviam antecipado que, pelas novas normas, dariam o sinal verde a apenas 300 fazendas. O governo brasileiro avaliou, no entanto, que se todas as fazendas cumprem os requisitos, não caberia ao Ministério da Agricultura selecionar apenas 3% delas. "Como faríamos para selecionar uma fazenda e não a outra se estão em condições de igualdade?", questionou um funcionário do ministério em Brasília.Em Bruxelas, os europeus não escondiam a irritação com a atitude brasileira. Primeiro, pelo número de fazendas, considerado exagerado. Outra confusão foi o fato de cada Estado ter feito uma lista separada. A própria missão diplomática do Brasil junto à UE confessou que não tinha como somar as listas. Com a atitude, o governo jogou de volta para os europeus o problema.Comenta-se que a pressão dos produtores irlandeses também pesou na decisão de embargo à carne brasileira. A Irlanda é quem mais sofre com a concorrência da carne brasileira. A comissária de Agricultura da União Européia, Mariann Fischer Boel, havia dito que a Europa precisa ser "justa", e a resposta de Bruxelas ao problema precisa ser "proporcional". Segundo ela, a limitação em 3% das fazendas brasileiras cumpria a questão da "proporcionalidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.