Com escolas públicas, sistemas de ensino avançam

Durante a última década, mais de 20 empresas de sistemas de ensino vendiam seus produtos (material didático) e serviços (assessoria pedagógica e administrativa) para pouco mais de 35% de todas as escolas, colégios e cursinhos particulares do Brasil, atendendo aproximadamente 2,5 milhões de alunos.

Análise: Ryon Braga, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2010 | 00h00

O mercado para os sistemas de ensino encontrava-se bem estável e crescendo pouco no setor privado, com as previsões mais otimistas admitindo um crescimento até o limite de 42% de penetração nas escola. No entanto, há alguns anos, o cenário mudou. Escolas públicas, através das secretarias municipais de educação, começaram a optar pelos sistemas de ensino em detrimento ao livro didático encaminhado pelo MEC. As vantagens eram inúmeras: apoio pedagógico, assessoria na gestão, congressos, cursos de capacitação de professores, entre outros.

O setor público de educação básica, com mais de 54 milhões de alunos (em contraste com o privado, com menos de 7 milhões), tornou-se um novo e atraente mercado para os sistemas de ensino, atraindo a atenção das grandes editoras de livros didáticos nacionais e internacionais, que viam seu mercado de livro texto encolher com o crescimento dos sistemas.

Em função desse cenário, era de se esperar que grandes negócios acontecessem. A compra do Anglo pela Abril e dos Sistemas da SEB pela Pearson são reflexos dessa nova realidade, onde as editoras precisavam inovar para continuar existindo. A Abril, dona das editoras Ática e Scipione, precisava de um sistema robusto e com marca forte para abrir espaço entre os grandes grupos (Positivo, Objetivo, Pitágoras, Uno, Etapa, etc). Já a Pearson não poderia ter encontrado melhor porta de entrada no Brasil do que os Sistemas COC, Dom Bosco, Name e Pueri Domus.

Com isso, ganha o mercado, consolidando com grandes grupos um mercado altamente significativo. Ganham também as escolas, com a entrada de editoras consagradas e autores de referência internacional auxiliando a melhoria da qualidade da educação no País.

DIRETOR DA HOPER CONSULTORIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.