Com especulação eleitoral, Petrobrás sobe quase 5% e impulsiona Bolsa

As especulações em torno das pesquisas eleitorais impulsionaram mais uma vez os negócios; Bovespa subiu 2%, aos 59.114 pontos

Clarissa Mangueira, Agência Estado

16 de setembro de 2014 | 17h13

As especulações em torno das pesquisas eleitorais impulsionaram mais uma vez os negócios na Bovespa, que terminou nesta terça-feira com a maior alta desde 25 de agosto deste ano. O avanço das bolsas de Nova York, em meio a expectativas em torno da reunião do Federal Reserve e a medidas de estímulo adotadas pelo governo chinês também favoreceram os ganhos da bolsa brasileira.

No fim do dia, o Ibovespa subiu 2,01%, para 59.114,66 pontos, após devolver um pouco os ganhos na reta final da sessão. Na máxima do dia, o índice atingiu 60.243 pontos (+3,96%) e, na mínima, 57.946 pontos (estável). O volume de negócios totalizou R$ 10 bilhões. No mês, a bolsa acumula queda de 3,55% e, no ano, alta de 9,84%.

Enquanto os investidores aguardavam a pesquisa Ibope, que está prevista para esta noite, as especulações sobre uma possível melhora da candidata do PSB, Marina Silva, na corrida eleitoral, impulsionaram a alta da Bovespa desde o início da sessão, com destaque para os papéis das empresas estatais. As expectativas sobre uma vitória da oposição têm beneficiado essas ações nos últimos meses, devido à insatisfação dos agentes do mercado com as intervenções feitas nas companhias estatais pelo governo da presidente Dilma Rousseff.

A alta exibida pelo Ibovespa foi mais forte que a registrada pelas bolsas de Nova York, que só ganharam tração à tarde, conduzidas por notícias sobre a reunião de política do Federal Reserve (Fed) e injeção de liquidez na China.  

O colunista do Wall Street Journal Jon Hilsenrath, especialista em Federal Reserve, disse acreditar que o BC americano voltará a reiterar amanhã, no fim de sua reunião de política monetária, que as taxas de juros vão continuar baixas "por um período de tempo considerável". Nas últimas semanas, a maioria dos analistas vinha apostando que o Fed poderia sinalizar uma antecipação da alta dos juros.

Já o Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) disponibilizou uma linha de crédito de 500 bilhões de yuans (US$ 81 bilhões) para auxiliar os cinco maiores bancos do país. 

No término do pregão em Wall Street, o Dow Jones (+0,59%), Nasdaq (+0,75%) e o S&P 500 (+0,75%).

De volta ao âmbito corporativo doméstico, os destaques de alta do Ibovespa foram: Petrobrás ON (+4,37%), Petrobrás PN (4,87%), Eletrobras ON (+5,08%), Eletrobrás PNB (+3,62%) e Banco do Brasil ON (+4,40%).

As ações PN da Oi fecharam com a maior alta do dia, de 8,61%. As ações foram ajudadas pelas informações divulgadas pelo jornal italiano Il Sole 24 Ore de que a Telecom Italia, que possui uma participação controladora na Tim Brasil, está analisando uma parceria com a Oi. Os papéis da TIM ON caíram 4,14%.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.