Washington Alves/Estadão
Washington Alves/Estadão

Com falta de peças, produção de veículos cai 24,8%, no pior outubro em 5 anos 

Segundo associação de montadoras, crise de fornecimento só deve acabar em 2023; segmento de carros de passeio teve o pior mês em 20 anos

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2021 | 12h14

A falta de componentes eletrônicos nas linhas de montagem se traduziu no mês passado no pior outubro na produção de veículos em cinco anos. No total, 177,9 mil unidades foram montadas, entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, segundo balanço divulgado nesta segunda-feira, 8, pela Anfavea, entidade que representa as montadoras. Desde outubro de 2016, quando foram fabricados 177,6 mil veículos, não se via volume tão baixo para o mês.

Na comparação com o mesmo mês de 2020, a queda foi de 24,8%. Embora o resultado tenha sido 2,6% superior ao de setembro, a atividade segue comprometida na indústria de veículos pela falta de peças, tendo como maior gargalo a insuficiência de componentes eletrônicos, um problema global. 

Para a associação, as dificuldades no fornecimento de componentes eletrônicos devem se estender ao longo de todo o ano que vem, revisando um prognóstico que, até então, apostava em normalização até meados de 2022. “Estávamos considerando estabilização a partir do segundo semestre de 2022, porém temos uma atualização indicando que isto só deve acontecer em 2023. Portanto, 2022 continuará sendo um ano de grandes desafios na questão da entrega de semicondutores ao setor automotivo”, disse o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

A previsão tem como base um acompanhamento periódico que vem sendo feito pela consultoria Boston Consulting Group (BCG) e que agora estima em mais de 5 milhões de unidades o total de veículos que deixarão de ser produzidos no mundo inteiro no ano que vem em razão da falta de componentes eletrônicos. A regularização completa do abastecimento de semicondutores, o item que para as fábricas de carros, não deve acontecer antes de 2023, segundo conclusão do estudo.

Segundo Moraes, o setor faz esforços para encerrar 2021 com número melhor de produção para atender o mais rápido possível os pedidos. Entre os principais clientes, a intenção é entregar mais de 70 mil carros para as locadoras nos últimos dois meses do ano, fechando o ano com um total de 400 mil veículos ao setor, de onde partiram as maiores reclamações públicas pela longa fila de espera.

A crise no abastecimento, no entanto, piorou com a paralisação dos caminhoneiros na semana passada, ao dificultar a retirada de peças no porto de Santos, podendo levar a novas interrupções de produção nas montadoras num momento em que elas não conseguem recompor estoques, hoje suficientes para apenas 17 dias de venda, com menos de 100 mil veículos nos pátios de concessionárias e fábricas.

Mais afetadas pela escassez de componentes eletrônicos, as linhas de carros de passeio tiveram no mês passado o pior outubro em produção dos últimos 20 anos. As fábricas de caminhões também são afetadas, mas, por consumirem semicondutores em menor escala, conseguem administrar a situação com menos prejuízo, tanto que neste ano a produção no segmento está sendo a maior desde 2013.

No acumulado desde janeiro, a diferença na produção em relação a 2020 é positiva, com alta de 16,7%, num total de 1,83 milhão de veículos produzidos. Porém, a própria Anfavea não descarta a possibilidade de esse crescimento cair para a casa de um dígito até o fim deste ano.

Vendas também em queda

Com a falta de carros nas concessionárias, as vendas de veículos recuaram 24,5% em relação a outubro do ano passado, para 162,3 mil unidades - também o menor resultado para o mês em cinco anos. Frente a setembro, as vendas subiram 4,7%, mas a base de comparação aqui é fraca, já que o mês anterior a outubro é o pior do ano até agora.

De janeiro a outubro, as vendas de veículos somaram 1,74 milhão de unidades, alta de 9,5% no comparativo com 2020, porque o choque da chegada da pandemia entre os meses de abril e junho do ano passado foi pesado. Ainda assim, a Anfavea adianta que essa diferença também deve ser reduzida até dezembro, com chance de o ano fechar no vermelho. 

Do lado das exportações, que somaram 29,8 mil veículos no mês passado, o balanço das montadoras mostra queda de 14,6% frente a outubro do ano passado. Contra setembro, houve alta de 26,1% nos embarques, e no ano o total exportado chega a 306,8 mil, 26,8% acima dos dez primeiros meses de 2020.

Para completar, a Anfavea informa que a indústria de veículos fechou 410 vagas de trabalho em outubro, empregando no fim do mês 102,6 mil pessoas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.