Com financiamento, Embraer poderia exportar mais US$ 1,5 bi

A Embraer poderia hoje exportar mais US$ 1,5 bilhão se houvesse mais financiamentos para a companhia. O cálculo foi feito hoje pelo vice-presidente executivo da Embraer, Frederico Curado. Ele lembrou que a companhia tem pedidos com a US Airways para mais 24 aviões RJ-145, 15 aviões para a americana Republic Airways de aviões 170 e 75 aviões RJ-145 para Express Jatos, antiga Continental. Segundo ele, estas operações poderiam ser feitas agora para entrega daqui a três ou quatro anos, e não estão sendo finalizadas por causa de falta de financiamento. Curado informou ainda que a empresa já solicitou ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) o financiamento de parte da operação de venda de 85 aeronaves 170 para a US Airways. As vendas vão totalizar US$ 2,1 bilhões. Além desta operação, a companhia já fechou também este ano a venda de 100 aviões 190 para a Jet Blue. Esta operação está orçada em US$ 3 bilhões. Ele destacou a importância do apoio do BNDES para as exportações da companhia. Segundo ele, é difícil para uma empresa como a Embraer competir no mercado sem apoio governamental. Ele lembrou que outras companhias, como Bombardier e Boeing, também têm suas operações financiadas por órgãos semelhantes ao BNDES. Entretanto, o executivo ressaltou que hoje metade de suas operações é financiada por bancos privados. O executivo acredita na recuperação do mercado a partir de 2004. E lembra que estas operações serão 30% financiadas pela GE Capital Service. O executivo participa hoje de seminário "A Internacionalização de Empresas Brasileiras", promovido pelo Ibmec.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.