Rafael Chuí / Klabin
Rafael Chuí / Klabin

Com foco em expansão, Klabin eleva investimento para R$ 4,7 bi em 2020

Prioridade será conclusão do Projeto Puma II, para produção de papel para embalagens, que vai consumir R$ 9,1 bilhões até 2023

Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2019 | 04h00

A Klabin divulgou ontem uma previsão de investimentos para 2020 de R$ 4,7 bilhões, um crescimento de mais de 80% em relação ao valor deste ano, de R$ 2,6 bilhões. No Klabin Day – dia dedicado à apresentação da empresa a investidores –, executivos da companhia informaram que a aporte de capital se concentrará no projeto Puma II, que consumirá um total de R$ 3,8 bilhões. 

O projeto Puma II será construído no mesmo complexo fabril da unidade inaugurada em 2016 na cidade de Ortigueira (região central do Paraná). O investimento total projetado é de R$ 9,1 bilhões, sendo que R$ 6 bilhões deverão ser aportados até junho de 2021, de acordo com a companhia. O novo empreendimento vai abrigar duas máquinas de papel para embalagens, com produção de celulose integrada. 

O presidente da Klabin, Cristiano Teixeira, destacou o cenário favorável em um cenário de substituição de certos produtos plásticos por opções de papel, mais sustentáveis. “Substituição de plástico de uso único é realidade”, afirmou, lembrando que o processo está mais adiantado na Europa e na China, mas que já chega aos EUA e à América Latina.

Segundo o executivo, o mercado de plástico é de 400 milhões de toneladas ao ano. “Desse total, 160 milhões de toneladas são de plásticos destinados a embalagem de uso único. Esse é o foco. Para isso (a substituição por produtos de papel) que a gente tem investido muito em pesquisa e desenvolvimento.”

Depois de um período de baixa, o diretor comercial de celulose da Klabin, José Soares, afirmou que o mercado deve caminhar para uma estabilidade nos preços nos próximos meses, com recuperação mais adiante. “No segundo trimestre há alguma possibilidade de reação nos preços”, disse. Para ele, uma recuperação mais vigorosa dos preços só deverá vir a partir do segundo semestre de 2020.

Brasil

Diante desse atual cenário de preço, a expectativa é que o mercado brasileiro tenha uma participação maior nas receitas da Klabin no ano que vem, afirmou Teixeira. Esse ânimo para a economia do País deverá vir sobretudo da recuperação da construção civil, frisou o executivo. 

“A economia nacional está muito forte para nós”, disse Teixeira, durante o Klabin Day. “Nossa unidade de papel ondulado e sacos industriais bateu recorde em outubro e em novembro”, disse. “E estamos recebendo pedidos para dezembro, o que não é normal (pois os pedidos de fim de ano costumam ser antecipados).”

O executivo também afirmou que a Klabin tem o cenário de começar a produção de papel no exterior, mas sem dar detalhes de como essa operação será viabilizada. 

Ações

O banco HSBC manteve ontem a recomendação do papel da Klabin, com preço-alvo de R$ 21,75, o que implica em potencial alta de 23% em relação ao último fechamento. Diante dos dados do Klabin Day, as units da fabricante de papel chegaram a subir mais de 1% durante o pregão. No fechamento, a alta foi de 0,23%, com cotação de R$ 17,70.

Tudo o que sabemos sobre:
Klabinpapel e celulose

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.