Com fôlego menor que NY, Bovespa sobe 0,73%

Alta das commodities e declarações de um presidente regional do Fed ditaram o ritmo dos negócios

Claudia Violante, da Agência Estado,

23 de novembro de 2009 | 18h28

A volta ao trabalho após o feriado do Dia da Consciência Negra, na sexta-feira, 20, foi positiva para a Bovespa, que encontrou os investidores animados em procurar ativos mais arriscados. A alta das commodities, o índice mais do que favorável do mercado habitacional norte-americano e declarações de um presidente regional do Fed ditaram o ritmo dos negócios nesta segunda-feira, 23. Aqui, o Ibovespa chegou a recuperar os 67 mil pontos logo no início das operações, mas perdeu o fôlego ao longo da sessão.

 

O principal índice à vista, assim, terminou o dia com alta de 0,73%, aos 66.809,40 pontos. Na mínima, registrou 66.335 pontos (+0,01%) e, na máxima, os 67.365 (+1,56%). No mês, acumula ganho de 8,55% e, no ano, de 77,92%. O giro financeiro totalizou R$ 5,190 bilhões. Os dados são preliminares.

 

As duas principais razões para o mercado acionário acordar animado nesta segunda foram as declarações do presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, e o índice de vendas de imóveis usados nos EUA. Bullard, que será no ano que vem membro votante do comitê de política monetária do Fed, disse que os EUA devem continuar comprando títulos lastreados em hipotecas depois do primeiro trimestre de 2010, quando essas compras deveriam acabar.

 

Além dele, o dado de imóveis veio muito melhor do que as previsões: ao invés dos +2,3% estimados pelos economistas, o índice subiu 10,1% no mês passado.

 

Isso elevou a busca por ativos mais arriscados, puxando as commodities para cima e o dólar para baixo em relação a algumas moedas. Com isso, as bolsas norte-americanas trabalharam a sessão toda em alta. Às 18h16, o Dow Jones subia 1,31%, o S&P avançava 1,38% e o Nasdaq, 1,36%.

 

Aqui, no entanto, as compras foram bem mais comedidas. Segundo operadores, uma das razões é o não-funcionamento do mercado doméstico na sexta-feira passada, quando as Bolsas norte-americanas terminaram em queda. Seria, assim, um ajuste.

 

Além disso, a agenda da semana será carregada no exterior até quarta-feira e muitos investidores já começaram a antecipar alguma realização para tomar fôlego para o final de ano. Na quinta-feira, haverá o feriado de Thanksgiving nos EUA, o que deixará o mercado fechado por lá neste dia e o fará encerrar as atividades mais cedo na sexta-feira. Isso aumenta a volatilidade nestas três sessões e deve encurtar o giro da semana.

 

O setor siderúrgico já foi um dos que passou pela realização em bloco ao longo da sessão. Mas não fechou assim. Gerdau PN e Metalúrgica Gerdau PN subiram, respectivamente, 0,04% e 0,51%. CSN ON caiu 0,24% e Usiminas PNA perdeu 0,61%.

 

Vale, seguindo os metais, ganhou 1,07% na ON e 0,87% na PNA. A alta dos metais e do petróleo, além da procura pelo risco e queda do dólar, decorreu do avanço da tensão geopolítica, que cresceu após o Irã lançar no dominfo, 22, um exercício de defesa militar de cinco dias.

 

Na Nymex, o contrato do petróleo para janeiro terminou com ganho de 0,12%, a US$ 77,56. Petrobrás avançou 0,23% na ON e 0,91% na PN.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaBolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.