Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Com furacão mais distante dos EUA, preço do petróleo cai em NY

O preço do petróleo nos EstadosUnidos fechou em forte queda nesta terça-feira, pressionadopela notícia de que o furacão Dean se enfraqueceu enquanto seaproximava das operações petrolíferas no México, bem ao sul dosEstados Unidos. Também pesou a quebra de uma barreira desuporte técnico. Na Nymex, o contrato setembro perdeu 1,65 dólar, para 69,47dólares por barril, depois de ser negociado entre 68,76 e 71,50dólares. A mínima no intradia foi a menor desde os 67,07dólares atingida em 27 de junho. O encerramento foi o primeiro abaixo de 70 dólares desde 28de junho, quando ficou em 69,57 dólares por barril. Em Londres, o contrato outubro do tipo Brent caiu 1,16dólar, a 68,69 dólares por barril, após ser negociado entre68,14 e 70,50 dólares. "A primeira coisa (para a queda) foi a notícia de que ofuracão Dean estava bem ao sul das operações petrolíferasnorte-americanas e depois caímos abaixo da barreira de 70dólares", disse Mark Waggoner, analista do Excel Futures, emHuntington Beach, Califórnia. Os contratos de petróleo oscilaram no início do dia juntodas ações e dos mercados de câmbio, que estavam fracos em meioà expectativa de outros movimentos do Federal Reserve. Eles sedesapontaram apenas quando o Fed não materializou nenhuma ação. Os mercados de petróleo terão novos números sobre estoquesda Administração de Informação de Energia na quarta-feira pelamanhã. Uma pesquisa da Reuters com analistas mostrou previsãode queda de 2,8 milhões de barris de petróleo na semanapassada. As reservas de gasolina, dizem os especialistas,recuaram 900 mil barris. Os estoques de derivados, incluindo óleo para aquecimento ediesel, têm previsão de alta de 800 mil barris. (Por Robert Gibbons)

REUTERS

21 de agosto de 2007 | 18h06

Tudo o que sabemos sobre:
PETROLEOFECHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.