Marcos Santos|USP Imagens
Marcos Santos|USP Imagens

Com greve no Tesouro, relatório da dívida pública fica sem data de divulgação

Gerentes entregaram cargos em protesto por ganhos iguais aos de servidores da Receita, que terão reajuste de salário e bônus por resultados

Rachel Gamarski, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2016 | 18h37

BRASÍLIA - Pela primeira vez, o Tesouro Nacional pode divulgar o resultado da dívida pública federal com atraso. É praxe que a secretaria ligada ao Ministério da Fazenda publique, até o último dia útil do mês, os resultados referentes ao mês anterior. Por meio de sua assessoria, o Tesouro informou que não há previsão para a divulgação. 

Inicialmente, estava previsto que os dados referentes a julho fossem divulgados dia 24 de agosto, última quarta-feira. Mas, em virtude da greve dos servidores do Tesouro Nacional, a secretaria adiou a publicação e não há nova data para divulgação dos dados.

 

Os servidores do Tesouro buscam equiparação salarial após os ganhos obtidos pelos auditores fiscais da Receita Federal, que venceram a queda de braço e conquistaram aumento salarial e um bônus por eficiência, 95 dos 123 gerentes do Tesouro (77%) entregaram seus cargos.

O ofício comunicando a saída dos gerentes foi protocolado no órgão na terça-feira, 16, pelo Sindicato Nacional dos Auditores e Técnicos de Finanças e Controle (Unacon Sindical), após três semanas de greve. O restante do corpo funcional se comprometeu a não assumir os postos que ficaram vagos.

A paralisação já vinha deixando o sistema do Tesouro Direto instável e ameaça repasses da União a Estados e municípios. Os gerentes são considerados o "coração" do Tesouro, responsáveis pela parte operacional do dia a dia do órgão, fazendo a interação entre os analistas e os coordenadores, que estão em nível mais elevado de comando.

A paralisação dos servidores alterou ainda o horário de funcionamento do Tesouro Direto, programa de investimentos em títulos públicos pela internet. Em comunicado, a Secretaria do Tesouro Nacional informou que os investimentos em títulos do programa passarão a ser realizados das 18 horas às 5h. O horário normal de aplicação é das 9h às 5h do dia seguinte. Com a mudança, não é possível fazer agendamentos das 9h às 18h. Já o horário para o resgate das aplicações, que já é das 18h às 5h, não foi alterado. Ao anunciar as mudanças das rotinas do Tesouro, a secretaria atribuiu os atrasos a "restrições operacionais".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.