André Dusek/Estadão - 9/1/2018
André Dusek/Estadão - 9/1/2018

Com inflação em alta, mercado vê aumento de 1 ponto na taxa básica de juros

Na reunião do Copom desta quarta feira, a Selic deve subir para 5,25% ao ano, no maior nível desde outubro de 2019, segundo projeções de analistas 

Fabrício de Castro , O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2021 | 16h13

BRASÍLIA - Com a inflação projetada caminhando para o dobro da meta perseguida pelo governo em 2021, o Banco Central deve acelerar a alta de juros nesta quarta-feira, 4. A expectativa do mercado financeiro é de que, após ter elevado a Selic (a taxa básica de juros) em 0,75 ponto porcentual por três reuniões consecutivas neste ano, o BC desta vez promova um aumento de 1 ponto porcentual. Se isso ocorrer, a Selic atingirá os 5,25% ao ano, o maior nível desde outubro de 2019.

Os aumentos sucessivos da Selic são uma tentativa do BC de segurar a inflação no Brasil. A escalada dos preços de alimentos, combustíveis e energia elétrica fez com que os economistas do mercado financeiro já projetem inflação de 6,79% para 2021, conforme o Relatório de Mercado Focus de segunda-feira, 2. O documento é uma compilação, feita pelo BC, das projeções do mercado para os principais indicadores da economia. 

 

O problema é que esse índice de 6,79% está bem acima da meta de inflação de 3,75% para o ano. Como trabalha com uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual, o BC poderia, em tese, deixar a inflação ir até 5,25% este ano - mas as projeções do mercado sugerem que a batalha está perdida.

Para piorar, os economistas projetam inflação de 3,81% para o próximo ano, sendo que a meta é de 3,50%. Como a margem do BC também é de 1,5 ponto porcentual, a alta de preços poderia chegar até 5,00% em 2022. Só que os índices projetados estão, gradativamente, se distanciando da meta estabelecida. Se a pressão de preços continuar, o BC descumprirá a meta também no próximo ano.

Desde o segundo semestre de 2020, os preços de commodities - produtos básicos, como alimentos, minério de ferro e petróleo, cotados no mercado internacional em dólar - têm aumentado, o que afeta o custo de alimentos também no Brasil. 

Além disso, combustíveis e gás de cozinha têm pressionado o orçamento das famílias, assim como o custo da energia elétrica. Mais recentemente, a geada em algumas regiões do País prejudicou a produção de alimentos, com impactos nos preços ao consumidor final.

Nesse cenário, restou ao BC iniciar em março deste ano o processo de alta da Selic, para que a inflação não dispare em 2022. O ano de 2021 já é considerado perdido para o cumprimento da meta.

Como os números de inflação não param de piorar, a maior parte dos economistas do mercado espera que o BC intensifique os esforços para conter os preços. De um total de 51 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, 44 esperam pela elevação da Selic em 1,00 ponto nesta quarta-feira, para 5,25% ao ano. Apenas sete casas aguardam aumento de 0,75 ponto porcentual, com a Selic chegando a 5,00%. Para o fim de 2021, a mediana das projeções indica uma Selic a 7,0%.

 

Risco fiscal

Além de ter que lidar com a alta de preços em vários setores, o BC precisará ponderar, nesta quarta, o tamanho do risco fiscal para a inflação futura. Com dificuldades para fechar as contas nos últimos anos, o governo viu o risco subir desde o início da pandemia do novo coronavírus, em função das despesas para sustentar programas emergenciais e gastos não previstos.

Economistas de dentro e fora do governo sempre lembram que o equilíbrio fiscal é pré-requisito para o controle da inflação e o crescimento sustentável da economia. Se o governo gastar demais, a tarefa do BC de segurar a inflação via juros torna-se ainda mais difícil.

Nos últimos dias, esse equilíbrio foi novamente colocado em xeque, após o governo disparar o alarme em torno do pagamento de precatórios previsto para 2022.

Como informou o Estadão/Broadcast no dia 30, o governo Bolsonaro discute mudanças nas regras de pagamento de precatórios - os valores devidos a empresas e pessoas físicas após sentença definitiva da Justiça. O valor das sentenças para 2022 é calculado em R$ 90 bilhões, acima dos R$ 54,75 bilhões previstos no Orçamento. Em sua proposta, o governo estuda pagar à vista precatórios de até R$ 66 mil e parcelar o restante em até dez anos. As mudanças, no entanto, dependem da aprovação pelo Congresso de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.