Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Com inovação tecnológica, privatização é inevitável no futuro, diz presidente do BB

Rubem Novaes não respondeu se achava possível avançar nesse processo ainda governo de Jair Bolsonaro; segundo ele, as instituições financeiras terão de se adaptar ao mundo das fintechs em 'dois, três, quatro anos'

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2019 | 18h53

RIO  - A revolução tecnológica no setor bancário, puxada por fintechs e pelo open banking (ferramenta que permite o compartilhamento de informações de clientes entre os agentes do setor), tornará a privatização do Banco do Brasil inevitável no futuro, disse nesta sexta-feira, 25, o presidente da instituição financeira, Rubem Novaes.

“Do jeito que a modernização do sistema bancário se acelera, nesse mundo de inovações constantes, é óbvio que uma instituição publica não vai ter a mesma velocidade de adaptação”, afirmou Novaes, após dar palestra durante almoço promovido pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). “Por enquanto, o banco ainda é extremamente eficiente e vai permanecer eficiente por algum tempo, mas, em algum momento, a perspectiva da privatização vai ter que ser enfrentada.”

O presidente do BB ressaltou que expressava sua “opinião pessoal”, mas que tinha a expectativa de que esse posicionamento passasse a ser defendido pelo governo e pela “classe política” como um todo. Novaes evitou responder se achava possível avançar na privatização ainda no mandato do presidente Jair Bolsonaro.

Durante a palestra, ele disse que as instituições financeiras terão de se adaptar ao mundo “de open banking e fintechs” em “dois, três, quatro anos”. De concreto, o presidente do BB reforçou que a estratégia de sua administração é privatizar todas as subsidiárias ou empresas nas quais o BB tenha participação que não tenham “sinergia” com sua atividade principal.

Segundo ele, o BB busca um parceiro para reduzir sua participação em “asset management”, na qual atua a BBDTVM, assim como fez com seu banco de investimentos. Em setembro, BB e UBS assinaram um memorando de entendimento e estão debruçados para concluir as conversas em torno da parceria na área de investimentos ainda este ano.

Após a palestra, Novaes disse que o modelo da parceria não seria igual, pois “setores diferentes requerem parcerias diferentes”. Questionado, ele evitou citar nomes de possíveis parceiros, mas disse que será estrangeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.