Washington Alves/Reuters - 20/5/2020
Washington Alves/Reuters - 20/5/2020

Com linhas de montagem paradas, produção de veículos recua 21,3% em setembro

No acumulado do ano, porém, o resultado ainda é positivo em relação ao ano passado, com crescimento de 24%, segundo a Anfavea; falta de componentes tem fechado fábricas e deixado as concessionárias sem carros

Bárbara Nascimento, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2021 | 10h50
Atualizado 06 de outubro de 2021 | 15h48

Ainda comprometida pela falta de peças que paralisa linhas de montagem, a produção de veículos recuou 21,3% em setembro frente ao mesmo mês do ano passado. No total, 173,3 mil unidades foram montadas, entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, um resultado 5,6% superior ao número de agosto, informou nesta quarta-feira, 6, a Anfavea, entidade que representa as montadoras. 

No acumulado do ano, a produção ainda mostra resultado positivo, com crescimento de 24% em relação aos nove primeiros meses de 2020. De janeiro a setembro, a indústria automotiva produziu 1,649 milhão de veículos. Como na chegada da pandemia, a indústria parou completamente em abril do ano passado, portanto, a base de comparação é fraca. 

Agora, as fábricas de automóveis param porque estão sem peças, principalmente componentes eletrônicos. Como consequência, faltam carros nas revendas, de modo que as vendas, embora exista demanda, caíram 25,3% em setembro ante o mesmo período de 2020.

Os 155,07 mil veículos vendidos no mês passado, na soma de todas as categorias, ficaram 10,2% abaixo do total registrado em agosto. Desde o início do ano, o total vendido chega a 1,577 milhão de veículos, 14,8% a mais do que nos nove primeiros meses de 2020. É importante ressaltar que as restrições da pandemia, incluindo o fechamento de concessionárias em grandes mercados consumidores entre abril e maio, derrubaram as vendas de carros no ano passado.

Com esse resultado, a expectativa da Anfavea é que o ano termine com 2,129 milhões de veículos produzidos, uma alta de 6% em relação a 2020. No cenário mais otimista, a entidade prevê que 2,219 milhões de carros sejam produzidos, uma alta de 10% em relação ao ano passado.

De acordo com o presidente da associação, Luiz Carlos Moraes, ao contrário de outros anos, quando as previsões de produção eram estimadas considerando a demanda e o poder de compra da população, neste ano a Anfavea teve que mudar os cálculos por causa de todas as disfunções na cadeia de produção, como a escassez de semicondutores e de contêineres.

“Para 2021, imaginamos que há demanda reprimida, negócios já fechados, aguardando entrega do produto. Então não fizemos simulação de mercado. Fizemos o contrário: simulamos limitações da produção, tentamos ver quando será o atendimento ao mercado possível”, disse, afirmando que os entraves logísticos dificultam previsões claras e devem ser o principal desafio das montadoras também no próximo ano.

Dessa forma, segundo Moraes, a atual situação de inflação em alta e juros subindo deve afetar o setor mais em 2022 do que neste ano. A expectativa da Anfavea é de que 2,038 milhões de carros sejam emplacados em 2021, uma queda de 1% em relação a 2020. No cenário mais otimista, a associação espera venda de 2,118 milhões neste ano, alta de 3%.

A falta de carros nas concessionárias aumentou a demanda por carros usados. Segundo Moraes, a proporção de carros usados vendidos ante os novos, que geralmente é de 1 veículo novo vendido para cada 2 ou 3 usados, chegou hoje a 1 para 6. “Não é normal”, disse.

Exportação também em queda

As exportações, que têm a Argentina como principal destino, também tiveram balanço negativo em setembro, com queda de 22,5% contra o mesmo mês de 2020 e de 19,7% na variação mensal. As montadoras embarcaram 23,64 mil veículos em setembro, levando o total exportado desde janeiro para 276,98 mil unidades: crescimento de 33,8%.

O levantamento da Anfavea mostra ainda que a indústria de veículos fechou 54 vagas em setembro, empregando no fim do mês 102,96 mil pessoas.

A exemplo do que acontece desde o balanço relativo a janeiro, a Anfavea segue sem divulgar os resultados dos fabricantes de tratores e máquinas de construção, também sócios da entidade. Em razão do desligamento da John Deere da associação, a entidade vem revisando toda a série estatística do setor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.