Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Com liquidações, presente fica melhor

Filhos capricham, pagando menos

Marianna Aragão, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2010 | 00h00

A coincidência da data com o período de liquidação das coleções de inverno vem embalando o otimismo dos comerciantes para as vendas neste Dia dos Pais. Nas vitrines dos shoppings centers, os anúncios de promoção dividem espaço com os cartazes e faixas remetendo à comemoração do próximo domingo. Quem sai no lucro são os consumidores ?filhos?.É o caso do estudante Luiz Gustavo Patrício, de 21 anos, que aproveitou as ofertas para caprichar no presente do pai. Com cerca de R$ 300, conseguiu comprar uma jaqueta e duas camisas. Nos anos anteriores, o investimento foi mais modesto - aproximadamente R$ 150. "Com as promoções, pude comprar mais", diz Patrício, que não costuma variar na ?lembrancinha? para o pai. As roupas são a primeira e acabam sendo a única opção. "Roupa e sapato nunca são demais", afirma a professora Mônica Almeida. Na tarde de ontem, ela ajudava a filha Giulia, de 9 anos, a escolher um presente para o pai da menina, de quem Mônica é divorciada. A decisão foi tranqüila, já que o homenageado havia dado a dica para a filha - queria um sapatênis. "Só foi preciso pesquisar o preço e o modelo", conta a professora, que gastou cerca de R$ 300 no calçado. A diretora de arte Flávia Bertinelli, mãe dos gêmeos Luca e Enzo, de 6 meses, fez o mesmo. Seguindo a orientação do marido, comprou duas camisas, por R$ 150. "Já cheguei a gastar o dobro em outros anos", afirma Flávia, que, com as promoções, conseguiu evitar o crediário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.