Com menos de R$ 1, não se compra açúcar

O consumidor, que até alguns meses atrás conseguia com R$ 1 levar para casa pelo menos um quilo de açúcar, de arroz ou uma lata de óleo de soja, hoje não compra nenhum item básico com essa quantia. "Até o salgadinho custa mais de R$ 1, ou melhor R$ 1,13", diz a dona de casa Ágta Regina Damasceno Barbosa. Indignada com os aumentos de preços da cesta básica nos últimos meses, ela adotou a estratégia de cortar da lista de compras itens supérfluos, como iogurte, por exemplo, para conseguir fechar as contas do mês. Outra receita para gastar menos, segundo ela, é deixar acabar o produto na despensa para ir novamente às compras."Com menos de R$ 1 a gente só compra besteira nos supermercados, como salgadinhos e sucos", observa a dona-de-casa Geni Ponte Cabral. Casada e mãe de três filhos, ela conta que praticamente vai todos os dias ao supermercado. A sua estratégia para fazer o dinheiro render mais até o fim do mês é só comprar os produtos que estão em promoção.Ela lembra também que, em alguns casos, como o do açúcar, produto básico cujo quilo custava em média R$ 0,66 há três meses e hoje já está em R$ 1,17, não tem como contornar a situação. "Não tenho como substituir o açúcar. Trocar pelo adoçante fica mais caro." No caso da cera, que não chega a ser um item de primeira linha, ela diz que deixou de comprar este item depois que o preço subiu. "Agora estou passando água com Veja no chão."

Agencia Estado,

31 de outubro de 2002 | 09h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.