Hoana Gonçalves / ME
Hoana Gonçalves / ME

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Com Montezano, relação com BNDES melhorou 'dez mil porcento', diz ministro da Infraestrutura

O ministro citou como exemplo de processos em andamento com o BNDES os estudos para desestatizações das companhias docas do País

Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2019 | 22h00

BRASÍLIA - O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, elogiou o início da gestão de Gustavo Montezano à frente do BNDES e disse que, com ele no comando do banco estatal, os projetos e sua pasta enfim começaram a andar. O executivo, que substitui Joaquim Levy na presidência da instituição, tomou posse no último dia 16 de julho.

“Melhorou dez mil porcento”, disse.  “Já discutiu processo com o Levy? Não perdeu nada”, afirmou em jantar na noite de terça-feira, 6, em Brasília.

“Montezano é muito mais executivo. Nossos processos andaram. Não tinham andando nada com Levy. Então, já está tudo sendo encaminhado. Passamos seis meses discutindo com Levy e nao tinha nada. Agora, tem cronograma”, afirmou em evento promovido pelo jornal digital Poder 360, que teve participação de empresários e jornalistas e ao qual o Estado foi convidado.

O ministro citou como exemplo de processos em andamento com o BNDES os estudos para desestatizações das companhias docas do País. Segundo Freitas, a avaliação do governo Jair Bolsonaro é que o modelo público não deu certo. Além disso, os terminais privados já movimentam 66% de toda a carga no País.

Freitas reafirmou que a intenção é começar com a privatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), que tem poucos arrendamentos e passivo trabalhista baixo, além de uma grande área que pode ser utilizada para empreendimentos de logística.

Segundo ele, com a Codesa, o governo vai inaugurar “a era das privatizações” das companhias docas. Ele voltou a falar que o segundo passo será analisar a venda do complexo portuário de Suape, em Pernambuco, e “mais à frente” a abertura de capital do Porto de Santos.

“Esse movimento vai marcar um novo ciclo no setor portuário brasileiro”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.