Ernesto Rodrigues/ Estadão
Ernesto Rodrigues/ Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Com mundo em crise, equipe econômica vê risco de bloqueio maior de recursos do Orçamento

Relatório de avaliação de receitas e despesas do primeiro bimestre, que será entregue até o dia 22, já pode conter reflexos do choque nos preços do petróleo

Idiana Tomazelli , O Estado de S.Paulo

09 de março de 2020 | 11h40

BRASÍLIA - Diante dos riscos decorrentes do choque nos preços do petróleo, a equipe econômica monitora os possíveis impactos mais imediatos para as contas do governo e para a atividade econômica. 

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, um primeiro reflexo disso pode aparecer já no relatório de avaliação de receitas e despesas do primeiro bimestre, que será entregue até 22 de março.

O anúncio oficial da nova grade de parâmetros da Secretaria de Política Econômica (SPE) está programado para a próxima quarta-feira, 11. A grade traz as previsões para o crescimento da economia e preços de referência do barril de petróleo considerados nas projeções de receitas da União. Se o impacto imediato for grande, pode levar a um bloqueio maior de recursos no Orçamento, de acordo com uma fonte da equipe econômica.

Apesar do risco para as contas do governo e para a atividade, o choque também pode ter como “consequência benéfica” tornar mais clara a necessidade de o Brasil “fazer o dever de casa”.

A situação de turbulência é vista como uma oportunidade para o País melhorar as condições se sustentabilidade e solvência por meio da aprovação das reformas, num momento em que as relações entre o Executivo e o Congresso Nacional vinham se acirrando às vésperas de manifestações pró-governo endossadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

No domingo, 8, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), publicou em sua conta no Twitter que o cenário internacional “exige seriedade e diálogo das lideranças do País”. Ele defendeu a adoção de medidas emergenciais e afirmou que a crise pode se tornar uma oportunidade “se agora os poderes da República agirem em harmonia e com espírito democrático”.

Segundo apurou a reportagem, alguns interlocutores do governo têm buscado Maia para que a pauta de reformas seja priorizada. 

Nesta segunda, Guedes disse que essa é a melhor resposta para a crise. O ministro citou as reformas administrativa (que mexe com as carreiras dos servidores públicos) tributária (para simplificar os impostos), cujas propostas do governo ainda não foram enviadas ao Congresso Nacional, e as propostas do pacto federativo (que faz uma redistribuição de recursos entre União, Estados e municípios) e da emergência fiscal (prevê, entre outras coisas, o corte de salário e jornada de servidores para reduzir os gastos obrigatórios), enviadas ao Congresso no fim do ano passado pela equipe econômica. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.