Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

Com nova proposta, greve de bancários deve terminar hoje

Após 21 dias de paralisação, bancos melhoram proposta e oferecem 10% de reajuste salarial

O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2015 | 03h00

A greve dos bancários pode ser encerrada hoje, após 21 dias de paralisação. Em negociações ocorridas no fim de semana, os bancos melhoraram a proposta à categoria e oferecem agora 10% de reajuste salarial.

A Confederação Nacional de Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e o Comando Nacional dos Bancários recomenda a aprovação da oferta em assembleias marcadas para hoje em todo o País.

O aumento de 10% representa um ganho real de 0,11%. A reivindicação inicial da categoria era de 16% de reajuste (sendo 5,7% de aumento real), e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) oferecia 5,5%.

Na semana passada a Fenaban ofereceu 7,5% e depois 8,75%, mas ambas foram recusadas pelos bancários. Nos últimos 11 anos a categoria sempre conquistou aumento real.

Na nova proposta, a entidade também oferece reajuste de 14% para os vales-refeição e alimentação e um abono de até 72% dos dias parados. Antes, os bancos queriam a compensação integral do período de paralisação ou desconto dos dias.

A presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira, considerou a proposta “uma vitória dos trabalhadores porque os bancos queriam um reajuste abaixo da inflação.”

Segundo ela, com esse índice, em 12 anos a categoria vai acumular 20,83% de ganho real nos salários e 42,3% nos pisos. O vale refeição será de R$ 29,64 por dia, com reajuste de 14% e 3,75% de ganho real.

Vitória. “Os banqueiros tentaram impor uma derrota para a categoria, com índice sem aumento real. A greve reverteu essa tentativa”, afirmou, em nota, Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT e um dos coordenadores do Comando Nacional dos Bancários. “Foi uma vitória da unidade e da determinação da nossa categoria. Sem a forte greve que fizemos não teria sido possível.”

Nenhum representante da Fenaban foi localizado ontem para comentar o assunto.

A categoria dos bancários é uma das poucas no País que tem data-base nacional. Ao todo, os bancos empregam cerca de 512 mil funcionários, dos quais 142 mil em São Paulo, Osasco e região, onde se concentra a maior base do setor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.