Carlos Barria/Reuters
Carlos Barria/Reuters

Com novo porto, Xangai é cidade com maior movimentação de carga do mundo

O gigante Yangshan deverá estar totalmente concluído em 2020, quando terá capacidade anual para 15 milhões de contêineres

Cláudia Trevisan, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2011 | 00h00

ENVIADA ESPECIAL A YANGSHAN, XANGAI

A China jamais se tornaria o maior exportador do mundo sem os seus portos e nenhum deles retrata tão bem a rapidez da transformação da infraestrutura do país como porto de Yangshan, que ajudou Xangai a ultrapassar Cingapura e se transformar na cidade com maior movimentação de carga do mundo em 2010.

Inaugurado em dezembro de 2005, Yangshan foi construído em inacreditáveis dois anos e meio, incluindo a ponte de 32,5 km de extensão e 31,5 metros de largura que liga o porto ao continente - a Rio-Niterói tem 13,29 km e demorou cinco anos para ser concluída, no período áureo das megaobras brasileiras.

Chamada de Donghai, a ponte é a segunda mais longa do mundo sobre o mar, perdendo apenas para outra construção vizinha, sobre a baía de Hangzhou - com 35,67 km, ela liga o próspero Delta do Rio Yangtzé ao porto de Ningbo, quarto maior da China.

Com investimento total estimado em US$ 14 bilhões, Yangshan foi planejado em distintas fases e estará totalmente concluído em 2020, quando deverá ter capacidade anual para 15 milhões de contêineres.

Em cada um dos últimos cinco anos, o movimento no porto teve aumento médio de 32,5% e alcançou o total de 10 milhões de contêineres em 2010, o equivalente a um terço da carga total de Xangai, que possui outros dois portos.

O planejamento de longo prazo, típico das autoridades chinesas, já prevê a expansão de Yangshan para uma ilha vizinha depois de 2020, caso fique claro que sua capacidade futura não será suficiente para atender a demanda.

Nas últimas duas décadas, a China passou por uma revolução em sua infraestrutura, com pesados investimentos na área de transporte, que permitiram a emergência do país como a nova "fábrica do mundo".

Segundo estatísticas da empresa Containerisation International, em 1989 não havia nenhum representante chinês entre os 20 maiores portos de contêineres do mundo. O topo da lista era ocupado por Hong Kong, a antiga colônia britânica que na época ainda não havia retornado ao domínio de Pequim.

Duas décadas mais tarde, a China tinha 7 portos entre os 20 maiores do mundo, 6 dos quais estavam na lista dos 10 com maior movimento - isso sem incluir a ilha de Hong Kong, que retornou à China em 1997, mas é administrada de maneira independente.

Em 1989, a soma das exportações e importações da China representava 1,8% do volume mundial de comércio e a capacidade de seus portos estava próxima de 480 milhões de toneladas ao ano. A participação chinesa nas exportações e importações globais saltou para 9,7% no ano passado, quando o movimento de seus portos havia se multiplicado por dez.

Maior e mais rica cidade da China, Xangai é a principal vitrine da prosperidade econômica alcançada desde o início do processo de reforma e abertura, em 1978. O objetivo do governo é transformá-la em um centro de navegação internacional e a construção de Yangshan é fundamental nesse processo.

O novo porto inaugurado em 2005 contornou o problema da falta de profundidade que ameaça a expansão do movimento de carga de Xangai, já que os terminais existentes até então não tinham capacidade para receber navios de grande calado.

A solução foi construir o novo porto em uma ilha localizada a pouco mais de 30 km da costa, ao sul de Xangai. Os novos ancoradouros têm profundidade de até 15 metros, quase o dobro dos existentes anteriormente, e podem receber a nova geração de navios de transporte de contêineres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.