bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Com novo trecho da Norte-Sul, Vale vai priorizar soja

Segundo diretor da mineradora, a soja 'é o carro-chefe pelas possibilidades que temos no Cerrado'

Maurício Savarese, da Reuters,

03 de outubro de 2007 | 13h42

A Companhia Vale do Rio Doce, que arrematou nesta quarta-feira, 3, a concessão para exploração comercial do novo trecho da ferrovia Norte-Sul por R$ 1,478 bilhão, deverá priorizar no complexo o transporte de produtos agrícolas, especialmente soja, disse um diretor da empresa.  "Soja é o carro-chefe pelas possibilidades que temos no Cerrado, no leste de Mato Grosso, em Tocantins e no norte de Goiás", disse a jornalistas o diretor-executivo de Logística da Vale, Eduardo Bartolomeo, em entrevista coletiva após o leilão.  Além de soja, a companhia espera transportar pelo novo corredor de carga arroz, milho, álcool e açúcar produzidos na região centro-norte do Brasil.  A Vale foi a única habilitada a participar do leilão, pois apenas a empresa depositou junto à Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), dentro do prazo previsto, as garantias solicitadas - o grupo mineiro ARG, que seria associado com chineses, e o Alvorada, com investidores russos, chegaram a se habilitar para o leilão, mas depois desistiram e não fizeram os depósitos.  O trecho arrematado pela Vale tem 720 quilômetros e liga Açailândia, no Maranhão, a Palmas, no Tocantins. Do total, 368 quilômetros estão concluídos, de Açailândia (MA) até Araguaína (TO).  Segundo a Valec Engenharia e Construção, empresa do governo federal encarregada da obra, a parte restante de 352 quilômetros deverá estar concluída até o final do ano que vem.  A Vale terá o direito de operar o trecho por um período de 30 anos. A empresa já opera, desde 1996, outro trecho de 225 quilômetros da ferrovia Norte-Sul, entre Açailândia e Estreito, no Maranhão.  Por esse trecho, foram transportadas 800 mil toneladas no primeiro semestre, principalmente soja e milho, além de fertilizantes, arroz, combustíveis e calcário.  A expectativa de movimentação de carga em 2007 no trecho já operado pela Vale é de 1,7 milhão de toneladas de grãos. Mas com o novo trecho, as possibilidades de transporte aumentam bastante.  "Será um grande corredor de exportação do Brasil, com capacidade de escoar mais de 8 milhões de toneladas ao ano em 2013", destacou o executivo.  Segundo Bartolomeo, esse volume também leva em consideração que, com a conclusão da ferrovia, mais sojicultores sejam atraídos para a região, aumentando a produção local.  Destino O destino final da carga transportada pela Norte-Sul deverá ser, principalmente, o porto de Itaqui, no Maranhão, o que agilizará não apenas o transporte de grãos pelo interior do Brasil, mas reduzirá os preços de frete marítimo para exportações para a Europa, por exemplo.  Seria uma rota alternativa de exportação, já que a maior parte da soja brasileira percorre todo o caminho do Centro-Oeste até os portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR).  Atualmente, a Vale fatura com transporte de cargas R$ 2,5 bilhões ao ano. Com o novo trecho, a companhia vai operar em quase 10 mil quilômetros de ferrovias no País.  O diretor não deu estimativas sobre quanto o faturamento poderia aumentar com a nova concessão.  Entre 2007 e 2010, a Vale deverá investir em infra-estrutura da ferrovia cerca de R$ 66 milhões. Com as operações no novo trecho, a Vale estima que cerca de 50 mil empregos serão gerados a partir de 2009. Biocombustível Ainda segundo Bartolomeo, a Vale pretende estender o uso de biocombustível, já utilizado em outras ferrovias da empresa, para a Norte-Sul. O combustível será fornecido pela BR Distribuidora. Segundo o executivo, outras ferrovias da Vale já utilizam atualmente uma mistura de diesel (80%) e biocombustível (20%). "A FNS será a primeira ferrovia a iniciar a sua operação já com biodiesel", destaca.  Agnelli comemora  O presidente-executivo da Vale, Roger Agnelli, ao comentar a vitória da companhia no leilão, observou que o resultado mostra que a empresa não pode ser acusada de "monopolista".  "Depois de pronto, é fácil dizer que a Vale é monopolista. Mas só a Vale apareceu no leilão", disse ele a jornalistas durante evento em Vitória (ES).  Ele lembrou ainda que a companhia está ampliando as operações na mina de Carajás (PA). "Assim como expandindo a ferrovia de Carajás que tem uma ligação com a Norte-Sul."  O executivo acrescentou que "vai ter capacidade ociosa na ferrovia de Carajás que pode ser disponibilizada para prestar serviços para outros".  Na apresentação em São Paulo, a Vale informou que 44,6 milhões de toneladas de minério de ferro foram transportadas pelo trecho no primeiro semestre.

Tudo o que sabemos sobre:
Vale do Rio DoceFerrovia Norte-Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.