Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Com novos em crise, venda de carro usado cresce

Modelos de segunda mão registram alta de 2,3% nas vendas, enquanto as de zero quilômetro caíram 16% no primeiro trimestre

Fernando Scheller e Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

02 Maio 2015 | 15h42

Enquanto o mercado de carros zero-quilômetro vive uma grave crise, com queda de mais de 16% nas vendas no primeiro trimestre, as concessionárias de automóveis usados sobrevivem à recessão e fecharam março em terreno positivo, com alta de 2,3% nas vendas em unidades nos primeiros três meses do ano. Com o orçamento mais apertado, o consumidor está atento ao fator preço - neste quesito, os usados levam vantagem. Enquanto o valor do veículo novo subiu 7,2% nos últimos 12 meses, em média, os usados tiveram queda de 3,2%.

Entre os usados, os chamados seminovos, com até três anos, lideram a preferência do consumidor. As vendas cresceram 26%. Os brasileiros que querem dar um “upgrade” em seu veículo ficam atentos a este mercado. Segundo Mauricio Emerich, dono da revenda R1 Motors, em São Paulo, o consumidor hoje usa muito a internet ao comprar. E, ao comparar os preços de carros zero e seminovos, consegue perceber que a diferença é grande. Segundo dados de mercado, após um ano de uso, o preço de um veículo cai cerca de 20%.

Na R1 Motors, um Evoque, da Land Rover, blindado e com 8 mil km rodados, sai por R$ 220 mil. Um modelo zero-quilômetro, com os mesmos opcionais, fica em R$ 280 mil. Já um Fox 1.0, cujo preço de tabela é de R$ 44,6 mil, pode ser encontrado em sites por cerca de R$ 36 mil após um ano de uso.

O empresário gaúcho Renan Resende da Costa, 32 anos, achou mais vantajoso comprar um usado. Ao descobrir que seria pai, no fim do ano passado, começou a buscar um carro mais confortável para a família.“Se fosse comprar um novo, teria de abrir mão e pegar um modelo inferior”, diz Costa. 

As pesquisas na internet trouxeram o empresário até São Paulo, onde a diferença de preço chegava a R$ 12 mil em relação a Porto Alegre. No início de março, veio para a capital paulista e comprou um Mercedes 2012, diretamente do proprietário, por R$ 70 mil à vista. Para levar um zero, teria de desembolsar mais R$ 60 mil. “Até pouco tempo era muito mais fácil comprar um carro novo, mas a situação mudou.”

Com o aquecimento no mercado de segunda mão, a relação entre número de carros usados vendidos para cada novo está em 3,7 neste ano, a mais alta desde 2005, quando era de 4,1 usados para cada novo, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Para o gerente de desenvolvimento da consultoria Jato Dynamics, Pedro Mendes, a alta dos preços dos carros novos está levando o consumidor para a opção dos usados. 

De janeiro a março, mesmo com a forte queda do mercado de carros zero, os preços subiram 4,42%, enquanto o preço dos usados ficou estável (com alta de 0,03%), segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Mendes explica que, além da alta do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em janeiro, houve aumento de insumos. “Em contrapartida, o usado manteve o preço e acabou ficando mais atrativo.” 

Juros. Apesar dos preços mais baixos, quem vai financiar o veículo precisa prestar atenção nos juros do financiamento do usado. Segundo o Banco Central, enquanto os juros de montadoras estão abaixo de 14% ao ano, nas empresas especializadas em carros usados podem chegar a 55%.

A Fenauto, que representa as revendedoras de usados, afirma que o juro do setor varia de acordo com o perfil do cliente. “A taxa diminui conforme o valor da entrada aumenta”, diz Ilidio dos Santos, presidente da entidade. / COLABOROU NAIANA OSCAR

Mais conteúdo sobre:
Mercado de carros crise automóveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.