Com pacote para Estados, governo tenta, de novo, estimular investimentos

Planalto quer ajudar governadores a fazerem projetos, com recursos do BNDES, e garante que 'não vai faltar dinheiro' para as obras

ADRIANA FERNANDES , RENATA VERÍSSIMO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2012 | 03h07

O governo prepara uma nova rodada de apoio financeiro aos Estados para apressar os investimentos prioritários em 2013. Diante da escassez de projetos considerados viáveis, o Palácio do Planalto negocia com os governadores um programa conjunto, batizado de "Agenda do Desenvolvimento Regional". A estratégia desenhada pela presidente Dilma Rousseff é direcionar as ações estaduais para setores fundamentais, como a melhoria da malha logística.

As negociações estão sendo conduzidas diretamente pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, e pelo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. A presidente quer ver "sinergia" maior entre os projetos do governo federal e dos Estados. O banco será novamente o braço financeiro das operações.

Pimentel e Coutinho se reuniram, na quarta-feira da semana passada com secretários estaduais de Planejamento e de Indústria e Comércio para pedir um levantamento das prioridades e gargalos que prejudicam o desenvolvimento de cada Estado. Segundo uma fonte do Ministério da Fazenda, o governo está avaliando o espaço fiscal para os Estados obterem mais financiamentos, mas o BNDES vai emprestar também diretamente às empresas privadas que quiserem participar dos projetos incluídos nessa agenda. "Dinheiro não vai faltar", garantiu a fonte.

Por enquanto, as conversas estão na fase preparatória, mas em 22 de agosto Pimentel e Coutinho receberão novamente os secretários, que deverão entregar a lista dos empreendimentos candidatos ao financiamento.

Mais dinheiro. O BNDES já colocou R$ 20 bilhões à disposição dos governadores, para obras definidas pelas administrações. A ideia, agora, é desenvolver um processo em que o governo federal consiga direcionar o dinheiro disponível no banco de fomento para áreas consideradas fundamentais ao desenvolvimento econômico, como infraestrutura. O volume de dinheiro novo que será liberado ainda não foi definido. "O governo quer ouvir os Estados e capitanear este processo", disse o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Consedic) e secretário de Indústria de Goiás, Alexandre Baldy.

Com o processo de liberação dos R$ 20 bilhões, o BNDES identificou que os Estados estão com dificuldade de apresentar projetos que se enquadrem nas regras da instituição. Por isso, Coutinho está disposto a colocar todo o know how do banco à disposição dos governadores.

A Estruturadora Brasileira de Projetos (EBP), empresa privada com participação do BNDES e do Banco do Brasil, vai elaborar os projetos. O Ministério do Desenvolvimento terá a responsabilidade de definir as políticas públicas. Coutinho disse aos secretários que a presidente Dilma telefona todos os dias para cobrar o volume de recursos liberados ao mercado.

Energia. Com o aceno de mais recursos para os Estados, o governo espera obter o apoio dos governadores no projeto de reduzir o custo da energia. O ICMS cobrado pelos Estados é o tributo que tem peso maior na conta de luz. O assunto foi abordado na reunião com os secretários, mas Pimentel e Coutinho ouviram que dificilmente haverá algum consenso entre os governadores até agosto, quando o governo pretende fazer o anúncio do novo pacote de desoneração tributária, que incluirá medidas para redução do custo da energia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.