Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Com pandemia e crise política, real é a moeda que mais perdeu valor no mundo

Apenas em 2020, dólar já tem valorização de 45,64% ante o real; moeda brasileira possui desempenho pior que a de países como África do Sul e México

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2020 | 09h00

BRASÍLIA - A pandemia do novo coronavírus e a crise política no governo de Jair Bolsonaro colocaram o real numa posição incômoda em 2020: a de moeda que mais perdeu valor no mundo. Levantamento feito pelo Estadão/Broadcast com base em 43 moedas negociadas no mercado spot (à vista) de Forex (câmbio internacional) mostra que o dólar se valorizou 45,64% ante o real este ano, até a última sexta-feira, 15.

Na segunda colocação aparece o rand sul-africano (alta de 32,52% do dólar) e na terceira o peso mexicano (avanço de 26,77% da moeda americana).

A partir de março, com a intensificação da crise provocada pelo novo coronavírus, muitos países passaram a enfrentar um movimento de fuga de dólares. Isso foi percebido em especial entre os emergentes, onde investidores estrangeiros passaram a desfazer investimentos e remeter recursos a outros países.

Apenas em março, deixaram o Brasil US$ 14,9 bilhões pela via financeira. Em abril, foram mais US$ 6,8 bilhões. O segmento reúne os investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

O próprio presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reconheceu nos últimos meses que a busca por ativos mais seguros em outros países acarretou a fuga de dólares entre os emergentes.

Crise política

O real brasileiro, no entanto, acabou registrando desvalorização superior à de outras moedas de países emergentes. O ambiente político conturbado justifica isso.

Desde que a pandemia começou, o presidente da República, Jair Bolsonaro, dispensou dois ministros da Saúde: Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Além disso, promoveu troca no Ministério da Justiça e Segurança Pública, com a saída de Sergio Moro do cargo. Moro era um dos principais alicerces do governo e, na esteira de sua saída, abriu-se a possibilidade de um processo de impeachment, caso haja denúncia da Procuradoria-Geral da República. O caso está em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF).

Nos últimos meses, também se intensificaram os atritos entre Bolsonaro e outras instâncias do poder, como o próprio STF. Para completar, o presidente vem defendendo o fim do isolamento social, para reaquecer a economia, na contramão das orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do próprio Ministério da Saúde.

Este cenário político conturbado, na visão de analistas, é um dos motivos para que o real tenha perdido mais valor ante o dólar do que outras moedas de emergentes, como o peso argentino, o peso chileno, o peso uruguaio, a rupia indiana e o rublo russo.

"Isso tem a ver com o cenário político, principalmente. Já vinha se desenhando uma piora de crescimento antes da pandemia, mas agora temos uma deterioração do cenário político que mina a recuperação mais forte nos próximos anos", avalia o economista Bruno Lavieri, da 4E Consultoria. "A estabilidade fiscal no Brasil se tornou um evento menos provável.

Na visão de Lavieri, a crise política no governo de Jair Bolsonaro coloca em dúvida inclusive o andamento das reformas econômicas, vistas como essenciais para o controle fiscal do País.

Selic e coronavírus

Além do risco político, a pressão sobre o câmbio brasileiro tem sido maior porque a pandemia pegou o País com a Selic (a taxa básica de juros) nos mínimos históricos - portanto, pouco atrativa para investidores especulativos. Atualmente em 3,00% ao ano, a taxa básica deve recuar mais 0,75 ponto porcentual em junho, conforme sinalizações do BC.

"Os países que tiveram queda forte de juros passaram por isso lá atrás, após a crise de 2008", explica o economista Mauro Schneider, da MCM Consultores Associados. "No Brasil, isso foi mais recente: veio com a grande recessão de 2015 e 2016 e, depois, com a melhora nas questões fiscais, com a reforma da Previdência."

Mauro explica que, neste cenário, houve saída do País de capital de portfólio, já que a Selic estava em níveis menores. No ano passado, o próprio BC descreveu este movimento, pontuando que parte do capital meramente especulativo estava deixando o Brasil.

A visão era de que, em 2020, com mais reformas econômicas e o andamento das privatizações, os recursos voltariam, só que em forma de Investimento Direto no País (IDP). O problema é que, no meio do caminho, surgiu a pandemia do novo coronavírus.

"Paradoxalmente, a moeda flutuante e o bom nível de reservas internacionais deixam o Brasil em situação confortável", afirma Mauro. "O risco político tem peso importante, lamentavelmente, mas estamos em situação de grande nível de reservas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.