Com Petrobras e Vale, Bovespa beira máxima histórica

Em sessão marcada pelo vencimento deopções e por problemas técnicos que paralisaram os negócios porquase duas horas, a Bolsa de Valores de São Paulo cravou aquinta alta seguida e se reaproximou de sua máxima histórica. O Ibovespa fechou com valorização de 0,75 por cento, aos65.412 pontos, a maior pontuação desde 28 de fevereiro e poucoabaixo do recorde de 65.790 pontos alcançado em 6 de dezembrodo ano passado. Turbinado pelos 4,4 bilhões de reais dovencimento de opções, o maior desde novembro, o giro financeirosomou 9,93 bilhões de reais. Apesar da influência negativa das bolsas norte-americanas,que caíram pelo segundo dia em meio a perspectivas pessimistasde resultados de grandes instituições financeiras dos EstadosUnidos, a bolsa paulista manteve-se no azul, puxada pelas bluechips Petrobras e Vale, justamente o centro da disputa poropções. "Houve um realinhamento de preços", disse Valmir Celestino,superintendente da Safra Asset Management, referindo-se à altados recibos de ações de empresas brasileiras ligadas acommodities nas bolsas de Nova York na segunda-feira, quando aBovespa estava fechada pelo feriado de Tiradentes. As ações preferenciais da Petrobras subiram 1,06 por cento,a 86,20 reais, enquanto as preferenciais da Vale avançaram 2,42por cento, a 52,95 reais. O setor siderúrgico também subiu embloco, liderado pelas ações preferenciais da Usiminas, comelevação de 2,97 por cento, a 111 reais. Na contramão, o setor áereo voltou a concentrar opessimismo na Bovespa. As açoes preferenciais da GOL caíram 4,4por cento, a 24,31 reais; enquanto as preferenciais da TAMperderam 3,8 por cento, a 34,31 reais. Entre 11h32 e 13h15, o pregão foi interrompido porproblemas técnicos. Segundo operadores de corretoras paulistas,que preferiram não se identificar, a causa foi o excesso deoperações com opções de ações da Petrobras, o que teriasobrecarregado o sistema eletrônico da Bovespa. Consultada, a bolsa paulista não estava imediatamentedisponível para comentar o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.