Com Petrobras, Ibovespa atinge máxima em 3 semanas

Bolsa de São paulo fechou em alta de 0,13% chegando aos 66.303 pontos influenciada pela estatal

Aluísio Alves, da Reuters,

10 de novembro de 2009 | 18h58

Os ganhos das ações da Petrobras fizeram a diferença numa sessão volátil da bolsa paulista, sobrepondo-se à pressão por realização de lucros e levando o principal índice acionário ao pico em 3 semanas.    

 

Veja também:

link Após cair 3,13% em 5 dias, dólar sobe 0,94% no balcão

Depois de passar a maior parte do dia no vermelho, o Ibovespa ganhou força no final até fechar o dia valorizado em 0,13%, aos 66.303 pontos. Os negócios do pregão movimentaram R$ 6,6 bilhões.

"Petrobras foi o fiel da balança no pregão", disse o analista Pedro Galdi, da corretora SLW.

Os papéis da estatal ganharam fôlego no fim da tarde, refletindo a redução das perdas do petróleo, segundo Galdi. O preço do barril recuou 0,3%, para U$ 79,05. A ação preferencial da companhia subiu 0,9%, para R$ 37,41.

Perto do final da sessão, investidores também souberam que uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou o texto principal do projeto que prevê a capitalização da Petrobras para explorar petróleo na camada do pré-sal.

Quem também contribuiu com pontos positivos para o Ibovespa foram as operadoras de telefonia celular. As preferenciais da Vivo ganharam 2,7%, a R$ 50. As ordinárias da TIM Participações avançaram 2,25%, para R$ 5,90.

Também na parte de cima do índice Gol teve valorização de 1,95%, a R$ 20,90, depois de a companhia aérea ter reportado na segunda-feira, 9, resultados do terceiro trimestre acima das expectativas de analistas.

"Mantemos nossa recomendação de compra para Gol, não só pelo resultado do terceiro trimestre, mas pela perspectiva positiva da companhia e do próprio setor", disse a Link Corretora, em relatório.

Além disso, a Anac, agência que regula o setor, informou que o tráfego doméstico aéreo comercial cresceu 42% em outubro, na comparação com o mesmo período de 2008. Assim, as ações da TAM pegaram carona e subiram 2%, a R$ 28,29.

No outro extremo, BM&FBovespa foi a segunda pior do Ibovespa, caindo 2%, a R$ 12,46, antes de a companhia reportar seu resultado do terceiro trimestre, previsto para sair ainda nesta terça-feira, 10.

Fora do índice, OGX desabou 6,8%, a R$ 1416,63. Na segunda-feira, a companhia anunciou que as reservas potenciais de petróleo da empresa, medidas por sondas, foram elevadas de 4,8 bilhões para 6,7 bilhões de barris de óleo equivalente.

Ignorando o otimismo estampado em relatórios de analistas com a notícia, investidores preferiram realizar lucros, depois da forte disparada recente dos papéis.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.