Com PIB menor, juros caem e Bolsa sobe 0,84%

O Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre deste ano caiu 1,2% ante o período anterior e ficou aquém das expectativas mais pessimistas. O resultado levou os investidores a aumentarem as apostas em um corte maior dos juros. No mercado futuro, as taxas caíram. O contrato com taxa pós-fixada, com vencimento em janeiro de 2006, encerrou o dia com taxa de 18,10% ao ano, ante 18,15%. O tombo maior ocorreu no contrato com vencimento em janeiro de 2007, que caiu de 16,90% ontem para 16,71% hoje. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) encerrou os negócios desta quarta-feira com valorização de 0,84%, com 31.916 pontos. Operou entre a máxima de 31.918 pontos (+0,84%) e a mínima de 31.296 pontos (-1,2%). Com esse resultado, a bolsa encerrou o mês de novembro com alta acumulada de 5,71% e com valorização de 21,84% em 2005. O movimento financeiro avançou, ficando em R$ 2,230 bilhões. O dólar comercial subiu 0,73% em relação aos últimos negócios de ontem, cotado a R$ 2,2050. Em novembro, o dólar comercial contabilizou ante o real baixa de 2,09% e, no ano, acumula queda de 16,92%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.