Com política fiscal estrita, não é preciso acordo, diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso concordou hoje com a posição tomada pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de não renovar o acordo com Fundo Monetário Internacional (FMI). "O importante agora é manter a consciência da necessidade de uma política fiscal estrita e os compromissos fundamentais do País. Havendo isso, não há por que manter o acordo", reiterou.De acordo com o presidente, o acordo com o FMI só se faz quando necessário. E lembrou que, no final do seu governo, o Brasil voltou a assinar um acordo com Fundo em função do que se chamava, na época, o risco da eleição do presidente Lula. "Praticamente, não precisávamos mais (de um acordo com o FMI)", disse.Em entrevista concedida hoje na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), FHC comentou que a economia brasileira está bem e teceu o seguinte elogio ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci. "Acho que o mérito do ministro Palocci foi que não frustrou as expectativas e reganhou a confiança, o que é importante."Para FHC, o Brasil vem acumulando algo fundamental no mundo moderno, que é o capital da confiança, ao contrário da vizinha Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.