Andreas Gebert/Reuters
Andreas Gebert/Reuters

Com possível vacina e acordo da UE sobre fundo de resgate, mercados internacionais fecham em alta

Apetite por risco foi em parte alimentado por sinais favoráveis de testes para desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19 e pacote de ajuda bilionário da Europa

Sergio Caldas, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2020 | 07h00
Atualizado 21 de julho de 2020 | 18h38

As Bolsas da Ásia e da Europa fecharam em alta generalizada nesta terça-feira, 21, beneficiadas por uma série de notícias sobre o desenvolvimento de possíveis vacinas contra o coronavírus e após líderes da União Europeia (UE) chegarem a um acordo sobre um fundo de resgate bilionário para ajudar o bloco a superar a pandemia. Já em Nova York predominou um clima mais misto, devido a sensação de realização de lucros dos investidores.

Nesta terça, os líderes da União Europeia (UE) finalmente criaram um fundo de resgate de 750 bilhões de euros para ajudar a região a se recuperar da crise do coronavírus. As negociações sobre o fundo vinham se arrastando desde sexta-feira, 17, em Bruxelas, em função de divergências entre países que compõem a UE.

O apetite por risco também foi em parte alimentado por sinais favoráveis de testes para desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19. Na segunda-feira, 20, a Pfizer e a BioNTech anunciaram resultados positivos de estudos conduzidos na Alemanha. Já a Universidade de Oxford e a farmacêutica anglo-sueca AstroZeneca revelaram que os mais de mil participantes da etapa inicial de suas pesquisas desenvolveram anticorpos neutralizantes. Uma vacina da chinesa CanSino Biologics, por sua vez, induziu resposta imune na maioria dos cerca de 500 voluntários testados. 

Bolsas da Ásia 

O índice acionário japonês Nikkei subiu 0,73% em Tóquio, a 22.884,22 pontos, enquanto o chinês Xangai Composto avançou 0,20%, a 3.320,89 pontos, impulsionado por ações do setor farmacêutico, e o Hang Seng se valorizou 2,31% em Hong Kong, a 25.635,66 pontos.

Em outras partes da Ásia, o sul-coreano Kospi teve alta de 1,39% em Seul nesta terça, a 2.228,83 pontos, o Shenzhen Composto - índice chinês de menor abrangência - registrou ganho de 0,72%, a 2.232,70 pontos, e o Taiex subiu 1,83% em Taiwan, a 12.397,55 pontos. Na Oceania, a Bolsa australiana teve seu melhor dia em cinco semanas, impulsionada pelo setor de tecnologia, que segunda também foi destaque em Nova York. O S&P/ASX 200 avançou 2,58% em Sydney, a 6.156,30 pontos.

Bolsas da Europa 

A aprovação do acordo bilionário aumentou os ânimos dos investidores europeus e fez com que os índices do velho continente fechassem no azul. Com isso, o Stoxx 600 encerrou com alta de 0,32%. A Bolsa de Londres encerrou com ganho de 0,13%, enquanto a de Frankfurt subiu 0,96% e a de Paris avançou 0,22%. Já Milão, Madri e Lisboa registraram altas de 0,49%, 0,22% e 0,27% cada.

Bolsas de Nova York

Já em Nova York, a criação do pacote de ajuda também foi comemorada, mas a sensação de realização de lucros foi mais forte entre os investidores. Com isso, o Dow Jones subiu 0,60% e o S&P 500 avançou 0,17%, mas o Nasdaq recuou 0,81%. Por lá, as atenções seguem redobradas em torno das reuniões em Washington para debater um novo pacote de estímulos do governo do presidente Donald Trump.

Petróleo 

A criação do Fundo de Recuperação da União Europeia animou o mercado do petróleo, que também acompanhava de perto a indecisão dos líderes europeus. Com isso, o barril do WTI para setembro, referência no mercado americano, encerrou com ganho de 2,44%, a US$ 41,92. Já o Brent para o mesmo mês, referência no mercado europeu, avançou 2,40%, a US$ 44,32 o barril./COLABOROU MAIARA SANTIAGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.