Behrouz Mehri/AFP
Behrouz Mehri/AFP

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mercados internacionais fecham em alta com possível vitória de Joe Biden

Apuração parcial da eleição nos EUA mostra que o democrata já obteve 264 votos no colégio eleitoral, contra 214 do presidente Donald Trump; ao todo, são necessários 270 votos

Sergio Caldas e Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2020 | 07h30
Atualizado 05 de novembro de 2020 | 20h03

As Bolsas da Ásia, Europa e Nova York fecharam em alta generalizada nesta quinta-feira, 5, diante de sinais de que o democrata Joe Biden poderá se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos, reduzindo as incertezas das eleições americanas e favorecendo o apetite por risco. 

A apuração parcial da eleição nos EUA mostra que Biden já obteve 264 votos no colégio eleitoral, contra 214 do presidente Donald Trump. Para conquistar a Casa Branca, são necessários 270 votos. O resultado da disputa, no entanto, depende ainda do fim do cômputo de votos em estados que costumam oscilar entre democratas e republicanos. Além disso, o Partido Republicano poderá manter o controle no Senado, tornando mais improvável um grande pacote fiscal em reação à covid-19.

Ainda sobre as eleições, a imprensa internacional noticiou que Trump perdeu na Justiça uma demanda para tentar parar a contagem de votos no Estado de Michigan. O presidente americano disse ainda que pretende entrar com pedidos de análise em todos os Estados no qual seu concorrente Joe Biden ganhou sob a alegação de fraude, o que pode arrastar os resultados por semanas. 

Enquanto o vencedor não é declarado, os mercados acompanham a apuração em estados decisivos. Resultados da Georgia, Nevada e Pensilvânia ainda são aguardados pelo mercado e podem sair já na próxima sexta-feira, 6.

Bolsas da Ásia 

O Hang Seng liderou os ganhos na Ásia, com salto de 3,25% em Hong Kong, em meio a expectativas de que as tensões entre EUA e China diminuam num eventual governo Biden. Entre os mercados chineses, o Xangai Composto subiu 1,30% e o Shenzhen Composto avançou 1,67%.

Em outras partes da região asiática, o japonês Nikkei se valorizou 1,73% em Tóquio, o sul-coreano Kospi teve expressivo ganho de 2,40% em Seul e o Taiex registrou alta de 0,40% em Taiwan. Na Oceania, a Bolsa australiana acompanhou o tom positivo da Ásia, e o S&P/ASX 200 avançou 1,28% em Sydney.

Bolsas da Europa 

Além do clima favorável criado pelas eleições, também ajudou na alta das bolsas do velho continente, as indicações de que o Banco da Inglaterra e o Banco Central Europeu permanecem engajados na concessão de estímulos para ajudar no pós-pandemia e devem continuar com as políticas de juros baixos. Também chamou atenção as encomendas à indústria da Alemanha, que subiram 0,5% em setembro ante agosto, o quinto mês consecutivo de recuperação, segundo dados com ajustes sazonais divulgados pela agência de estatísticas do país, a Destatis.

Por lá, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 2,05%, enquanto a bolsa de Londres, avançou 1,67%, a de Frankfurt subiu 1,95% e a de Paris teve ganho de 2,44%. Milão subiu 1,96%, enquanto Madri e Lisboa subiram ambas 0,45%. 

Bolsas de Nova York

Além das eleições nos EUA, o mercado monitorou de perto a decisão do Federal Reserve (Fed, o BC americano), que anunciou que vai manter os juros da economia entre 0% e 0,25% e reafirmar a sua postura dovish, ou seja, de mais estímulos, diante do quadro ainda modesto da economia americana. O presidente do banco central americano, Jerome Powell comentou que deve ser necessário mais apoio monetário e fiscal para os EUA, no quadro ainda de problemas causados pela pandemia da covid-19 e sem um fim claro para a crise  de saúde à vista.

O índice Dow Jones fechou em alta de 1,95%, o S&P 500 subiu também 1,95% e o Nasdaq avançou 2,59%. Entre os destaques de hoje, estiveram ações dos setores de tecnologia e serviços de comunicação, que podem se beneficiar diretamente do quadro político. Apple subiu 3,55%, Microsoft avançou 3,19% e Facebook, 2,54%..

Petróleo

petróleo fechou o pregão desta quinta-feira em baixa, em um movimento de correção de ganhos recentes, depois de ter registrado alta de quase 4% ontem. O foco dos investidores está na eleição presidencial americana, cujo vencedor ainda não foi definido. O WTI para dezembro caiu 0,92%, a US$ 38,79, enquanto o Brent para janeiro recuou 0,73%, a US$ 40,93 o barril.

Analistas do Swissquote Bank destacam que a commodity energética acumulou ganhos de 9% nas últimas três sessões, o que leva a uma realização de lucros. De acordo com os profissionais, a cada vez mais provável vitória de Biden nos EUA pode levar a mais baixas nos contratos de petróleo, se os democratas impulsionarem uma agenda focada em energias renováveis. No entanto, isso depende do controle do Senado, atualmente na mão dos republicanos./COLABOROU MAIARA SANTIAGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.