Com pouco volume, dólar cai pelo 3o dia e volta a R$1,61

O dólar caiu pelo terceiro diaconsecutivo nesta quinta-feira, refletindo a mudança decomportamento dos investidores estrangeiros em uma sessão comvolume mais fraco do que nos últimos dias. A moeda norte-americana terminou o dia a 1,610 real, embaixa de 0,62 por cento. Com queda de 1,77 por cento na semana,o dólar reduziu a valorização acumulada em agosto para 3 porcento. Pouco antes do fim dos negócios, a página da Bolsa deMercadorias & Futuros (BM&F) informava cerca de 1,5 bilhão dedólares em operações --menos do que os 2,6 bilhões de quarta ebem abaixo dos 6,5 bilhões de dólares de terça-feira. Para Tarcísio Rodrigues, diretor de câmbio do BancoPaulista, a falta de liquidez favoreceu a baixa. "A queda do dólar é a falta de volume. E também, como terçae quarta foram feitas grandes movimentações, alguns estãoajustando apenas." Para ele, a baixa teve pouca influência externa, mesmo coma alta de mais de 3 por cento das commodities segundo o índiceReuters-Jefferies . Nos últimos dias, a valorização dasmatérias-primas foi tida como um fator importante para a quedado dólar em todo o mundo. O mercado tem refletido também ajustes no mercado futuro,especialmente por estrangeiros. Esses agentes, que no começo domês abriram na BM&F uma aposta na alta do dólar no Brasil, têmdiminuído a posição comprada em derivativos cambiais desde ofim da semana passada. As posições construídas pelos estrangeiros na BM&F "devem--aliás, como já estão sendo-- ser desmontadas e o preço damoeda americana retornar a 1,60 real", escreveu Sidnei Nehme,diretor-executivo da NGO Corretora. O Banco Central fez um leilão de compra de dólares no fimdo dia, com taxa de corte de 1,6120 real. Foram aceitas duasdas propostas divulgadas, segundo um operador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.