Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Com pressão dos alimentos, prévia da inflação sobe 0,81% em novembro

Resultado é o maior para o mês desde 2015, segundo o IBGE; o grupo alimentação e bebidas respondeu pela maior parte do aumento

Daniela Amorim, Thaís Barcellos e Cícero Cotrim, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2020 | 09h16

RIO e SÃO PAULO - A prévia da inflação oficial no País mostrou nova pressão dos preços de produtos alimentícios sobre o orçamento das famílias em novembro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,81%, maior resultado para o mês desde 2015. O indicador já tinha avançado 0,94% em outubro, informou nesta terça-feira, 24, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa acumulada pelo IPCA-15 em 12 meses passou de 3,52% em outubro para 4,22% em novembro, acima da meta de 4,0% perseguida pelo Banco Central em 2020, embora dentro do intervalo de tolerância. Pela regra vigente, a inflação pode oscilar de 2,5% a 5,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. 

 

Mesmo com nova leitura pressionada de inflação, o economista-chefe do Haitong Banco de Investimento, Flávio Serrano, mantém a avaliação de que é um choque muito forte, mas concentrado e que o mais perigoso é o cenário fiscal frágil.

"Se não houvesse preocupação com o fiscal, as revisões não seriam tão fortes. Acho que tem muito do ambiente. As coisas estão acontecendo em conjunto, a persistência de choque de alimentos e piora fiscal, então é difícil separar os efeitos. Está sendo mais duradouro, mas ainda continua sendo choque de alimentos, para outros itens têm menor repasse. Temos que observar", disse Serrano.

As famílias voltaram a gastar mais com alimentação e bebidas em novembro. O grupo alimentação e bebidas passou de um aumento de 2,24% em outubro para um avanço de 2,16%, maior elevação e contribuição de grupo sobre o IPCA-15 deste mês, 0,44 ponto porcentual.

Os alimentos para consumo no domicílio subiram 2,69%. Houve aumentos nos preços das carnes (4,89%), arroz (8,29%), batata-inglesa (33,37%), tomate (19,89%) e óleo de soja (14,85%). Por outro lado, o leite longa vida ficou 3,81% mais barato.

A alimentação fora do domicílio teve elevação de 0,87% em novembro, puxada pela alta do lanche (1,92%). A refeição fora subiu 0,49%.

Além do choque de alimentos, o economista Flávio Serrano lembra que o IPCA-15 está mostrando recomposição de preços após a deflação em meados do ano em vários itens por causa do isolamento social. A inflação também está mais pressionada no momento devido às transferências de renda do governo e o repasse de custos devido ao câmbio mais depreciado, além da entressafra do etanol.

O etanol aumentou 4,02%. A gasolina avançou 1,17%, um impacto individual de 0,06 ponto porcentual sobre a inflação. O óleo diesel ficou 0,53% mais caro, enquanto o gás veicular subiu 0,55%. O gasto com transportes teve elevação de 1,00% este mês, a segunda maior contribuição para a taxa do IPCA-15 de novembro, o equivalente a 0,20 ponto porcentual.

Todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados registraram aumentos de preços em novembro. A alta de 1,40% nos artigos de residência foi puxada por mobiliário (2,40%) e eletrodomésticos e equipamentos (2,23%), com destaque para o aumento de 11,23% nos preços de aparelhos de ar-condicionado. Os artigos de TV, som e informática desaceleraram o ritmo de alta de 1,68% em outubro para 0,10% em novembro.

No grupo vestuário, as roupas femininas tiveram elevação de 0,97% em novembro. Também aumentaram este mês as roupas masculinas (1,49%), infantis (0,74%) e os calçados e acessórios (0,33%). As joias e bijuterias subiram 2,27%, acumulando avanço de 13,19% no ano.

A economista-chefe do Banco BOCOM BBM, Fernanda Guardado, pretende revisar a projeção de inflação de 2020 de 3,60% para perto de 3,70%.

"Esse número de hoje reforça as pressões que temos observado na inflação mais recentemente", afirmou a economista. "São surpresas que vêm da alimentação, vêm da gasolina, mas começam a aparecer nos serviços e não se limitam apenas a pressões tão temporárias", completou.

Por ora, ela mantém a expectativa de inflação de 3,50% para o ano que vem, e não vê risco de antecipação do ciclo de aperto monetário por parte do Banco Central (BC). A autoridade monetária deve "exercer a paciência" e manter a taxa básica de juros, a Selic, em 2,0% no primeiro semestre do ano que vem, subindo a partir de agosto até o patamar de 3,50% ao fim de 2021.

"A inflação em 12 meses vai bater um pico de quase 6,0% no fim do segundo trimestre de 2021, carregando esse choque de alimentos, mas à medida que isso saia ela começa a convergir em direção à meta", argumentou Fernanda Guardado. "O BC vai começar a subir os juros em agosto já olhando para esse movimento no horizonte relevante, que será 2022."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.