Com queda na produção, Brasil exportará menos açúcar--Datagro

O centro-sul do Brasil, maior regiãoprodutora de cana-de-açúcar do país, produzirá menos açúcar naatual temporada (2008/09) do que na safra passada, reduzindo aprodução nacional e as exportações brasileiras, afirmou aconsultoria Datagro nesta terça-feira. Atrasos na entrada em operação de novas usinas da regiãoprevistas para produzir neste ano farão com que o centro-sulprocesse menos cana do que o esperado inicialmente. Além disso,todo o aumento da safra em relação à temporada passada (07/08)será direcionado para a produção de álcool, que estáremunerando mais. Em 08/09, o processamento de cana no centro-sul, queresponde por quase 90 por cento da safra nacional, deveráatingir 480 milhões de toneladas, ante estimativa de junho de495 milhões de toneladas e contra 431 milhões em 07/08. Com isso, a consultoria reduziu a projeção para a produçãode açúcar no centro-sul em 2008/09 de 27,5 milhões de toneladasem junho para 25,5 milhões, ante 26,19 milhões em 07/08. Dessa forma, a exportação de açúcar da região será de 16,4milhões de toneladas, contra 17,80 milhões na previsãoanterior. Já as vendas externas brasileiras, incluindo as doNordeste, atingirão 18,8 milhões de toneladas, contra 20,2milhões previstos em junho, e queda ante 07/08 (19 milhões). "A previsão de déficit (de açúcar no mundo) deve ficar maisforte", afirmou o presidente da Datagro, Plinio Nastari,comentando a menor oferta no maior exportador mundial. Segundo ele, a estimativa mais recente da OrganizaçãoInternacional de Açúcar (OIA) aponta um déficit mundial de 1,7milhão de toneladas em 08/09, que provavelmente será elevado nofuturo, ante superávit de 7,8 milhões em 07/08. A Datagro explicou a queda nas estimativas do açúcardizendo que das 35 novas usinas que entrariam em operação nocentro-sul em 08/09, somente 13 iniciaram moagem até 21 dejulho. Quatro das 35 já desistiram de operar na atual safra,devido a problemas de fluxo de caixa. As demais usinas, que ainda buscam iniciar os trabalhoseste ano, sofreram com atrasos tanto na entrega de equipamentoscomo na implementação de alguns projetos. Com isso, a consultoria informou que o volume decana-de-açúcar do centro-sul que vai ficar em pé no campo --ouseja, que não será processado na safra atual, mas apenas napróxima-- somará 32 milhões de toneladas, ante estimativainicial de 17 milhões de toneladas. "Isso equivale a metade da safra de cana do Nordeste, porexemplo", destacou Nastari, a jornalistas. Além da questão das usinas, também houve atraso noprocessamento nos primeiros meses da safra, devido a excesso dechuvas. NO BRASIL, A FORÇA DO ÁLCOOL A moagem no Nordeste, cuja colheita começa em setembro,está estimada em 62 milhões de toneladas, segundo a Datagro. Considerando a produção nordestina, o Brasil deve moer 542milhões de toneladas de cana em 08/09, ante 557 milhões naestimativa anterior e frente 491,3 milhões em 07/08. Essa moagem deverá resultar em uma produção de açúcar nopaís de 30 milhões de toneladas de açúcar, contra 32 milhões detoneladas na estimativa anterior e 30,64 milhões em 07/08. Já a produção de álcool no país deverá atingir 26,68bilhões de litros, praticamente estável em relação ao númeroanterior, mas bem maior do que o volume apurado na safrapassada (20,3 bilhões de litros). A Datagro também manteve o número de produção de álcool nocentro-sul, em 24,5 bilhões de litros, contra 20,3 bilhões natemporada passada. A produção nacional está crescendo para atender ao aumentodo consumo no país, com o uso do álcool hidratado dobrando nointervalo de duas temporadas, para 14,5 bilhões de litros em08/09, devido ao crescimento da frota nacional de veículosbicombustíveis e diante de uma remuneração para etanol, emrelação ao açúcar de exportação, quase 20 por cento superior. Além disso, as exportações brasileiras de álcool tambémsubirão para 4,8 bilhões de litros, ante 3,5 bilhões em 07/08.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.