Com queda no preço dos alimentos, inflação é a menor para novembro desde 1998

Índice oficial avançou abaixo da expectativa e acumula alta de 6,99% em um ano; em 2016, porém, alta acumulada é de 5,97% e IPCA pode encerrar o ano sem estourar o teto da meta, de 6,5%

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2016 | 09h10

RIO - A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve no mês passado alta de 0,18%, a menor para meses de novembro desde 1998, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O alívio nos preços dos alimentos foi um dos principais fatores que permitiram que o indicador fechasse no nível mais baixo em 18 anos, conforme economistas.

Analistas esperavam que o IPCA de novembro tivesse alta de 0,22% a 0,35%, de acordo com pesquisa do Projeções Broadcast, sistema de informações do Grupo Estado, feita com 54 instituições. Em outubro, o IPCA foi de 0,26%, quando acumulou avanço de 7,87% em 12 meses.

 

 

Em 12 meses, o resultado ficou em 6,99%, ainda muito acima do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%. A taxa acumulada no ano, porém, foi de 5,97% e, a depender do resultado de dezembro, a inflação pode terminar o ano sem estourar o teto de 6,5%.

Os alimentos voltaram a ficar mais baratos em novembro e deram a maior contribuição para conter a inflação do mês. A queda nos preços de Alimentação e bebidas foi de 0,20%, o equivalente a um impacto de -0,05 ponto porcentual para o IPCA. O preço do leite longa vida recuou 7,03%, item de maior impacto negativo no IPCA, -0,08 ponto porcentual. As famílias também pagaram menos por feijão-carioca (-17,52%), tomate (-15,15%) e batata inglesa (-8,28%) no mês.

"O clima ajustou, a demanda está baixa, e além disso tem um terceiro fator, que é a perspectiva de safra boa no próximo ano. Então quem está segurando estoques comercializa, tem uma entrada maior de produtos no mercado", explicou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE.

Entre os alimentos em alta, a cebola subiu 6,09%, a farinha de mandioca, 4,26%, e o pescado, 3,47%. Mas houve impacto da demanda fraca sobre itens que tradicionalmente aumentam nessa época do ano, como as carnes, que subiram 0,22% em novembro, após aumento de 2,64% em outubro.

"A gente está em plena entressafra, mas as carnes desaceleraram. Embora a arroba do boi tenha subido muito em outubro e elevado o preço ao consumidor, a reação da demanda impediu que esse preço continuasse. Está faltando demanda. Por outro lado, o frango subiu. Houve aumento de demanda forçado. A pessoa deixa de consumir a carne e força a demanda no frango", relatou Eulina.

O frango inteiro saiu de alta de 1,43% em outubro para elevação de 2,91%. O frango em pedaços também subiu, 1,50% em novembro, após ter recuado 0,58% em outubro. "A maioria das regiões pesquisadas mostrou desinflação no preço dos alimentos", apontou a coordenadora do IBGE, lembrando, porém, que a alta dos alimentos em 12 meses permanece acentuada, aos 10,17%.

Os preços dos alimentos consumidos em casa recuaram 0,47% em novembro. As únicas regiões metropolitanas com aumentos no mês foram Recife (0,53%) e Porto Alegre (0,25%). Todas as demais pesquisadas registraram recuo.

"Nos alimentos consumidos no domicílio temos visto queda constante. A alimentação fora do domicílio agora deu uma desacelerada bastante forte", ressaltou Eulina.

A alimentação fora de casa subiu menos, desacelerando de 0,75% em outubro para 0,33% em novembro, sob influência da refeição fora, que saiu de 0,77% para 0,19%.

Para dezembro. A energia elétrica pode ajudar a conter a inflação do último mês do ano. O IPCA deve absorver parte da redução de 11,73% nas contas de luz de uma das companhias do Rio de Janeiro, em vigor desde 7 de novembro, além do corte de 16,28% na tarifa de uma das empresas de Porto Alegre em 22 de novembro.

"E ainda tem a bandeira tarifária, que tinha passado para amarela em 1º de novembro, o que implicava num acréscimo de R$ 1,50 por cada 100 kw/h consumidos, e que voltou a ser verde a partir de 1º de dezembro", lembrou Eulina.

Na direção oposta, pode pesar no IPCA o novo anúncio da Petrobras para os preços dos combustíveis nas refinarias, que desta vez foi de alta de 8,1% na gasolina e aumento de 9,5% no diesel, em vigor desde o dia 6. 

Também é esperado um impacto de reajustes nos preços dos cigarros, praticados por duas empresas diferentes. No caso do ônibus urbano, a tarifa de Campo Grande pode sofrer um reajuste de 8,67%, autorizado em 5 de dezembro, mas suspenso depois por uma liminar concedida pela Justiça.

Mais conteúdo sobre:
Ibge

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.