Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Com real forte, 895 empresas deixaram de exportar em 2005

Levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) revela que 895 empresas deixaram de exportar entre novembro de 2004 e novembro de 2005 por conta do câmbio desfavorável às vendas externas. Marcelo Azevedo, economista da entidade, explica que o real apreciado frente ao dólar acarretou perda de rentabilidade entre as empresas exportadoras, levando centenas delas a se retirar do mercado. Os dados constam do Boletim Comércio Exterior em Perspectiva.A situação deve piorar no futuro próximo, de acordo com o documento, apesar dos bons resultados da balança comercial em 2005, já que a perda da rentabilidade com as exportaçõesdesestimula muitas empresas, sobretudo as de menor porte, a investir nomercado externo.Um dos grandes problemas de sair do mercado externo é retornar a ele no futuro, caso o câmbio venha a se tornar mais competitivo. Isso porque, como a concorrência entre empresas pelo mercado global é acirrada, quem deixa de exportar perde o cliente. Para retomá-lo no futuro, a empresa se vê forçada a repetir todos os investimentos já feitos em divulgação e em centros de distribuição para conquistar clientes. Muitas vezes, o empresário simplesmente perde o estímulo para fazer esse novo investimento.PerspectivasA CNI projeta crescimento de 10% nas exportações brasileiras em 2006, para US$ 130 bilhões. A estimativa é inferior à do governo, de alta de 12% para US$ 132 bilhões. A entidade acredita que, mesmo no caso de não haver uma recuperação expressiva da demanda interna por conta da cautela do Banco Central no corte de juros, as importações continuarão a crescer, devendo atingir US$ 86,5 bilhões (em 2005 foram US$ 73,5 bilhões).Assim, o superávit comercial estimado para 2006 será de US$ 43,5 bilhões, pouco inferior aos US$ 44,8 bilhões registrados em 2005. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior costuma divulgar as projeções para importações e superávit na metade do ano.

Agencia Estado,

25 de janeiro de 2006 | 15h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.