Free Images
Free Images

Com recessão, 30% pretendem gastar menos na Black Friday, aponta pesquisa

Levantamento feito pelo site de comparação de preços Zoom indica que crise econômica pode afetar as vendas deste ano do evento que oferece descontos ao consumidor

André Ítalo Rocha, O Estado de S. Paulo

18 Setembro 2015 | 18h41

Com a recessão da economia do Brasil, 30% dos brasileiros que consomem pela internet pretendem gastar menos na Black Friday deste ano em relação ao ano anterior, estima levantamento feito pelo site de comparação de preços Zoom. Dos 20 mil consumidores que foram entrevistados, 66% disseram que vão avaliar os descontos oferecidos para ver se vale a pena aproveitá-los e apenas 4% afirmaram que devem manter as compras no mesmo patamar de 2014.

A pesquisa aponta ainda que, gastando mais ou gastando menos, 71% pretendem fazer compras na Black Friday, que em 2015 ocorrerá no dia 27 de novembro. Uma parcela de 28% respondeu que "não tem dúvida" de que vai adquirir algum produto neste ano, enquanto 1% revelou que não tem a intenção de aproveitar o evento.

De acordo com o levantamento, 57% dos consumidores planejam gastar mais de R$ 1.000 e 27% pretendem desembolsar uma quantia entre R$ 500 e R$ 1.000. Os produtos mais desejados são celulares/smartphones (57%), TVs (43%), eletrodomésticos (33%), eletroportáteis (29%) e notebooks (27%).

Um pouco menos da metade dos entrevistados (49%) tem a expectativa de encontrar melhores ofertas na Black Friday do que nas liquidações fora de época que o varejo tem realizado para combater a crise. Outro dado indica que 64% das pessoas gostariam de antecipar suas compras de Natal.

Segundo o estudo, 84% das pessoas afirmam que têm segurança no recebimento do produto dentro do prazo acordado com a loja. A Black Friday é um evento anual criado pelo varejo para vender produtos com descontos. A ação começou nos Estados Unidos e ocorre no Brasil desde 2010, sempre em novembro.

Mais conteúdo sobre:
black friday zoom

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.