Com Reino Unido à beira da recessão, bolsas desabam na Europa

Economia do país encolheu 0,5% na comparação entre o terceiro e o segundo trimestre; Londres cai 8,95%

REUTERS

24 Outubro 2008 | 08h01

As bolsas européias enfrentam uma sexta-feira de forte queda após a divulgação da retração de 0,5% economia britânica no terceiro trimestre, resultado que deixa o país oficialmente à beira de uma recessão. Frankfurt caía 8,47% por volta das 10h30 de Brasília. A Bolsa de Londres perdia 7,32%. Em Paris, o recuo era de 8,26%. Veja também: Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  A Bolsa de Moscou suspendeu o pregão de hoje após uma queda acelerada nas primeiras horas do pregão. O índice Micex caiu 7,5% antes de parar. As ações Sberbank, maior banco do país, se devalorizaram 15% e as da estatal petrOlífera Rosneft recuaram quase 10%.A montadora francesa Citroen-Peugeot anunciou um corte massivo na produção depois de seus ganhos trimestrais encolherem 5,2%. O presidente da empresa, Christian Streiff disse hoje que a Peugeot está reagindo ao colapso do mercado automobilístico europeu. Com a crise, consumidores do continente têm encontrado dificuldade para pagar as prestações dos carros devido à crise de crédito. As ações de Peugeot na Bolsa de Paris caíram 12,4%. Ásiao cenário no mercado financeiro já era negativo após o fechamento das bolsas asiáticas, que caíram com balanços ruins de empresas orientais, como Sony e Samsung. Em Tóquio, o índice Nikkei da bolsa do Japão caiu 9,6%, depois que a s Sony divulgou que a previsão de lucro do ano caiu pela metade. Na Coréia do Sul, a bolsa caiu 10,6%, com a Samsung divulgando que seus lucros terão queda de 44% no terceiro semestre.Os países do Leste Asiático fecharam nesta sexta-feira um acordo para a criação de um fundo de US$ 80 bilhões até meados de 2009, a fim de combater a crise econômica global.O acordo foi fechado num café da manhã entre os líderes da Coréia do Sul, da China, do Japão e dos 10 países-membros da Associação de Países do Sudeste Asiático (Asean, na sigla em inglês), segundo informou o porta-voz do presidente sul-coreano, Lee Myung-bak. Além do fundo, o pacto contempla também o estabelecimento de uma organização independente para a supervisão do mercado financeiro regional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.