ANDRE DUSEK/ESTADAO
ANDRE DUSEK/ESTADAO

Com repatriação, governo aumenta previsão de receitas em R$ 26,9 bi

Melhora na arrecadação acontece em meio à piora das perspectivas do Planejamento para o PIB, que agora espera retração de 3,5% este ano

Lu Aiko Otta e Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2016 | 13h45

BRASÍLIA - Mesmo com a piora das previsões para o crescimento da economia, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, anunciou o aumento da projeção das receitas primárias do governo em R$ 26,9 bilhões na comparação com a estimativa feita no quarto bimestre. 

Ao apresentar os números, o ministro explicou a melhora especialmente pelo processo de repatriação de recursos não declarados que estavam no exterior, o que aumentou a arrecadação da Receita Federal.   

Segundo o ministro, essa variação é decorrente do aumento de R$ 31,4 bilhões nas receitas administradas e, ao mesmo tempo, redução de R$ 3,6 bilhões nas receitas não-administradas e diminuição de R$ 0,8 bilhão na estimativa de arrecadação da Previdência Social.   

As despesas primárias, por sua vez, terão redução de R$ 2,1 bilhões, dos quais os principais impactos são: despesas adicionais de R$ 4,4 bilhões em pagamentos de sentenças judiciais, que são uma reserva para o caso de o STF decidir favoravelmente aos Estados na discussão sobre a repartição das receitas com as multas do programa de repatriação e gastos extras de R$ 2,4 bilhões com a Previdência, compensados por reduções de gastos em subsídios (R$ 4,2 bilhões) e com abono e seguro-desemprego (R$ 3,6 bilhões). Houve ainda reduções de gastos com folha salarial e com repasses aos fundos constitucionais, da ordem de R$ 500 milhões cada um.

Recessão. Dyogo atualizou os parâmetros do Orçamento e prevê que a economia brasileira sofrerá contração ainda mais forte em 2016. De acordo com as estimativas anunciadas nesta terça-feira, 22, o governo piorou a expectativa de queda do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano de 3% para 3,5%.   

Em contrapartida, a estimativa de alta da inflação foi reduzida e o documento do Planejamento prevê Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 6,8% neste ano ante expectativa anterior de 7,2%.   

No documento que atualiza os parâmetros do Orçamento relativo ao 5º bimestre de 2016, o governo estima Selic média de 14% ao ano, ligeiramente abaixo da estimativa anterior de 14,1%. Já o câmbio não foi alterado no documento e o Planejamento segue com a expectativa de dólar médio de R$ 3,50 no decorrer do ano de 2016 - mesmo número observado no relatório do 4º bimestre. O documento cita ainda previsão de que o barril do petróleo tenha preço médio de US$ 44,20.    

Durante a apresentação dos números, Dyogo disse que não cabe ao governo federal rever as receitas de 2017 no momento em que o projeto de lei do orçamento está em tramitação. A revisão seria decorrente da redução da projeção de crescimento do PIB no ano que vem para 1%.   

O ministro, no entanto, que pode haver receitas adicionais com a nova rodada do programa de repatriação e também com o programa de concessões. Isso tudo, explicou ele, será avaliado no início do ano que vem.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.