Brendan McDermid|Reuters
Brendan McDermid|Reuters

Moody’s sinaliza que deve cortar nota do Brasil

Segundo o analista-chefe da agência de classificação de risco, 'é brusca a velocidade com que as projeções de crescimento pioraram'

REUTERS

22 de dezembro de 2015 | 08h45

LONDRES - A agência de classificação de risco Moody’s provavelmente seguirá a Standard & Poor’s e a Fitch e cortará a classificação da dívida do País para grau especulativo, disse em entrevista à Reuters o analista-chefe para títulos soberanos da agência, Alastair Wilson.

“É brusca a velocidade com que as projeções de crescimento para o Brasil pioraram... e também os problemas políticos que não foram resolvidos. Há quase uma tempestade perfeita”, disse Wilson.

“Neste caso, estamos avaliando um rebaixamento de um degrau, e não de vários. A questão é, se rebaixarmos, qual será a nova perspectiva, porque ela precisaria refletir se acreditamos que a posição é estável ou se pode piorar”, acrescentou Wilson.

No início de dezembro, a Moody’s advertiu que está considerando retirar em breve o selo de bom pagador do Brasil, argumentando que o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff aumentou as incertezas políticas.

A agência reforçou a mensagem na sexta-feira, após a nomeação de Nelson Barbosa para substituir Joaquim Levy no Ministério da Fazenda. A Moody's atualmente classifica o país como Baa3, último degrau dentro do grau de investimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.