Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

BNDES se afasta de ‘campeãs nacionais’ ao vender R$ 2 bilhões em ações da Marfrig

Banco vendeu a fatia de 34% que detinha no frigorífico, aumentando seu caixa em R$ 2 bilhões; carteira de ações hoje de R$ 120 bilhões deve terminar 2020 abaixo de R$ 80 bilhões

Fernanda Guimarães e Vinícius Neder, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2019 | 13h08
Atualizado 18 de dezembro de 2019 | 23h31

Com a confirmação da venda de toda sua fatia no frigorífico Marfrig, por R$ 2 bilhões, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deu mais um passo na estratégia de acelerar o enxugamento da sua carteira de ações, avaliada em R$ 120 bilhões, deixando para trás a política dos “campeões nacionais”, como ficou conhecido o apoio da instituição à internacionalização de grandes companhias brasileiras.

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, renovou a aposta na estratégia ontem. Ao apresentar o planejamento estratégico do banco até 2022, o executivo criticou o crescimento bilionário da carteira nos governos do PT e apresentou dados para mostrar que a rentabilidade do investimento nas participações acionárias foi ruim, ficando em 50% do CDI (referência para investimentos conservadores, em renda fixa). 

Logo que assumiu, em julho, Montezano colocou a aceleração do enxugamento da carteira, que já vinha desde 2018, como meta. Após mudar as regras internas da gestão da carteira, Montezano sinalizou a intenção de reduzir o montante investido em 80% até 2022. Para 2020, estão programadas vendas bilionárias de papéis da Petrobrás, do frigorífico JBS, da companhia elétrica Copel e da siderúrgica Tupy.

A fatia do BNDES na petroleira estava avaliada em R$ 52 bilhões no terceiro trimestre. Uma oferta de parte dessas ações poderá movimentar R$ 24 bilhões, embora Montezano tenha ressaltado ontem que o anúncio da intenção do BNDES em fazer a operação não trazia sinalização sobre o montante total que será vendido. 

A intenção foi comunicada na última sexta-feira, após a diretoria do banco receber autorização de seu conselho de administração para vender “até a totalidade” das ações ordinárias (com direito a voto). A operação deverá ir a mercado até março, revelou o Estadão/Broadcast.

Frigoríficos

A venda da fatia de 33,7% que o BNDES tinha no capital da Marfrig foi por meio de uma oferta pública fechada na noite de terça-feira. Para janeiro já está engatilhada a venda de metade da participação de 21,3% na JBS, avaliada em R$ 19 bilhões, operação que também será feita via oferta de ações e que renderá mais de R$ 8 bilhões ao BNDES. O restante da fatia no frigorífico deverá ser vendido ainda em 2020.

Para apoiar a formação dessas multinacionais, como Marfrig e JBS, o BNDES aportou bilhões nessas companhias, que assim fizeram aquisições no exterior. Comprando empresas nos Estados Unidos e na Austrália, o frigorífico da família Batista, que recebeu cerca de R$ 8 bilhões do banco, se tornou a maior processadora de carnes do mundo. A Fibria, incorporada pela Suzano em 2018, se tornou a maior produtora de celulose do mundo, também com apoio do banco.

Para o professor do Insper Sérgio Lazzarini, que estudou as operações do BNDES, a política dos “campeões nacionais” foi sepultada por falta de espaço no Orçamento do Tesouro Nacional e por razões políticas, já que, em sua visão, as operações “pegaram mal” na opinião pública. 

Lazzarini vê o BNDES menor, com uma pequena carteira de ações. “Eu até aceleraria mais as vendas das participações acionárias e a transformação do BNDES para ser menos um banco emprestador”, disse o professor do Insper, destacando o papel do BNDES na estruturação de projetos de concessões em infraestrutura.

Já o professor do Instituto de Economia da UFRJ Ernani Teixeira Torres Filho, que trabalhou no BNDES, questiona o destino dos recursos que o banco levantará com as vendas. Para o economista, o movimento seria positivo se o dinheiro voltasse para a economia. No entanto, a tendência é o banco ficar “entupido de liquidez” e destinar mais recursos ao Tesouro. “Toda a operação é fiscal, não há dúvida”, disse Teixeira. Ele diz que isso poderá restringir crescimento caso os investimentos se expandam mais rapidamente nos próximos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.