Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Tesouro Direto suspende negociação de títulos públicos pelo 5º dia consecutivo

Turbulência nos mercados mudou a rentabilidade dos papeis, levando à interrupção temporária das negociações; entenda por que os preços dos títulos flutuam

Jéssica Alves, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2018 | 11h35

O estresse do mercado não afetou só o dólar, mas também as taxas dos títulos públicos. O Tesouro Direto, programa do governo federal de compra e venda de títulos, foi suspenso na manhã desta sexta-feira, 8. De acordo com o comunicado, a suspensão, iniciada às 9h40, deve ir até as 15h30 e ocorre devido à volatilidade nas taxas de juros públicos. Inicialmente, a suspensão terminaria ao meio dia. Este é o quinto dia em que ocorre suspensão nas negociações. 

+ Moeda americana passa de R$ 4,30 para o turista

O sobe e desce ocorre mesmo após presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, tentar acalmar o mercado e mostrar que tem instrumentos para agir, em meio a críticas sobre a atuação no câmbio. A autoridade monetária vai oferecer US$ 20 bilhões até o fim da semana que vem para dar liquidez ao mercado de câmbio.

+ Entenda a alta do dólar

O alívio no mercado de juros, diretamente ligado ao Tesouro, não durou nem até o final da manhã e os juros futuros disparam, do mesmo modo em que a Bolsa também exibe mau humor, ainda que o dólar opere em baixa. Segundo um operador de renda fixa, a aversão a risco volta a predominar. 

+ Cenário incerto faz crescer aposta na alta da taxa Selic

Com mais risco e mais volatilidade, o Tesouro trava. A suspensão das operações do Tesouro Direto, de venda de títulos pela internet, visa garantir transações a taxas justas e alinhadas às praticadas no mercado secundário. De acordo com o Tesouro, o atraso na abertura das negociações protege o investidor da volatilidade.

O Tesouro informa que as taxas dos títulos oferecidos no Tesouro Direto são normalmente atualizadas três vezes ao dia, quando não há volatilidade do mercado. Essa frequência de atualização é suficiente para permitir o funcionamento estável do programa a preços condizentes aos de mercado.

O Tesouro informa que as taxas dos títulos oferecidos no Tesouro Direto são normalmente atualizadas três vezes ao dia, quando não há volatilidade do mercado. Essa frequência de atualização é suficiente para permitir o funcionamento estável do programa a preços condizentes aos de mercado.

Títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo Tesouro Nacional para financiar a dívida pública do País. Há diferentes tipos de título: os prefixados, os atrelados à inflação e os atrelados à taxa Selic. Ao comprar um título público, é como se o investidor estivesse emprestando dinheiro ao governo - e recebendo juros por isso. Com a tensão nos mercados, essas taxas flutuam, como ocorreu de maneira mais expressiva nesta quinta-feira.

A marcação a mercado é a atualização, normalmente diária, do preço de um ativo de renda fixa ou da cota de um fundo de investimento. Esse mecanismo permite que o investidor saiba quanto receberia hoje se vendesse aquele título ou aquela cota. Ou seja, com base na oferta e demanda por aquele papel, quanto o mercado está disposto a pagar por ele. /Colaboraram Altamiro Silva Junior e Anna Carolina Papp

Mais conteúdo sobre:
dólar câmbio investimento inflação juros

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.