Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

‘Comandar a Petrobrás foi uma lição’, diz Pedro Parente

Atual presidente da BRF negou que a gestão da Petrobrás tenha 'baixado a guarda'

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2018 | 04h00

Ao lembrar de sua saída da Petrobrás na esteira da greve dos caminhoneiros de maio, Pedro Parente, ex-presidente da estatal, classificou como uma lição importante comandar a companhia que teve de enfrentar uma crise de abastecimento de combustível sem precedentes.

Durante participação no evento com investidores que a XP realizou nesta sexta-feira, 21, em São Paulo, Parente, atual presidente da BRF, negou que a gestão da Petrobrás tenha “baixado a guarda” após a retomada de valor de mercado. Mas frisou que a experiência mostrou que apenas planejamento estratégico não é suficiente. O foco, comentou, também precisa se dar sobre a cultura organizacional.

O executivo disse que renunciou à presidência da Petrobrás para preservar a empresa, já que os ataques à política de preços estavam centrados nele. Provocado a dizer o que pensa sobre a ideia de privatização da Petrobrás, Parente defendeu que a discussão não seja ideológica ou dogmática.

Segundo o executivo, ser estatal acarreta um pesado custo de burocracia para a Petrobrás, mas o debate sobre privatização não pode ignorar a missão da empresa de garantir o abastecimento do País.

Mais conteúdo sobre:
PetrobrásPedro ParenteBRF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.