Comando de greve dos bancários recomenda volta ao trabalho

O Comando Nacional de Greve dos bancários decidiu, por unanimidade, recomendar nesta terça-feira a aprovação da nova proposta de reajuste salarial feita pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) - braço sindical da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) - e o fim da paralisação da categoria. Segundo a Confederação Nacional dos Bancários (CNB), é grande a possibilidade das assembléias dos sindicatos de todo o País aprovarem hoje o retorno às atividades. "Acreditamos que a greve acabará", disse à Agência Estado o secretário-geral da CNB, Carlos Cordeiro.Ontem à noite, em reunião com os trabalhadores, a Fenaban melhorou a oferta de aumento salarial para a categoria, que iniciou paralisação por tempo indeterminado na quinta-feira. A nova proposta eleva o reajuste salarial, de 4% para 6%. O abono proposto também salta de R$ 1.000 para R$ 1.700. O valor fixo da Participação nos Lucros de Resultados (PLR) cresce de R$ 733 para R$ 800. De acordo com a CNB, a oferta vale para os funcionários dos bancos privados e existe, também, o compromisso de ser seguida pelos bancos federais.Na avaliação do Comando Nacional de Greve, a proposta representa o limite que poderá ser conquistado nas negociações, avança na concessão de aumento real, reverte em renda imediata com a concessão do abono, além de trazer melhora no valor fixo da PLR. "Os bancos poderiam oferecer muito mais, por causa dos lucros obtidos, mas este é um aumento possível", comentou Carlos Cordeiro. "A proposta repõe a inflação, coisa que não estava acontecendo na oferta anterior", complementou.A CNB, que é ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), reivindicava aumento de 11,77%. Ontem, no mais recente balanço sobre a greve, informou que empregados de Rondônia decidiram pela adesão à paralisação e reforçaram o movimento, já presente em mais 21 Estados filiados, além do Distrito Federal. Outra adesão à paralisação feita na quarta-feira ficou por conta dos trabalhadores de Tocantins, que, em conjunto com os bancários de Goiás e do Amazonas, participam de outra entidade - a Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito (Contec). Eles promoveram a suspensão parcial dos trabalhos, principalmente na Caixa Econômica Federal, com o objetivo de conquistar ajuste salarial de 15,38%.O secretário-geral da CNB destacou que a greve poderia terminar antes do meio-dia em alguns Estados brasileiros que realizassem assembléias no período da manhã. Outros Estados, no entanto, devem organizar reuniões no período da noite. Em São Paulo, o sindicato local, que é filiado à CNB e representa 106 mil trabalhadores, promove assembléia para analisar a proposta da Fenaban às 17 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.