Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Combate à corrupção pode aumentar custos de empresas no curto prazo, diz Moody's

Agência de classificação de risco avaliou, no entanto, que medidas devem aumentar a transparência das empresas e atrair investidores

Niviane Magalhães e Sergio Caldas, O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2015 | 14h13

NOVA YORK - O aumento nos esforços globais de combate à corrupção irá reduzir os custos econômicos, sociais e políticos ligados a casos de suborno de governos e empresas estatais, avalia a agência de classificação de risco Moody's. No entanto, isso poderá impor custos diretos e indiretos significativos a certas estatais e a empresas privadas no curto e médio prazos, enquanto essas companhias lidarem com investigações ou trabalharem para fortalecer controles internos.

"Os países e as organizações internacionais estão ampliando os esforços contra a corrupção, especialmente na esteira de escândalos recentes, como o da Petrobrás, cujo impacto se espalhou por todo o setor de engenharia e de construção do Brasil", diz Gersan Zurita, vice-presidente sênior da Moody's.

O caso da Petrobrás levou o Brasil a finalmente implementar sua lei anticorrupção, o que representa um marco significativo, de acordo com o relatório da agência de classificação de risco.

"Outras investigações sobre corrupção, como a que ocorre na Avon Products, afetou os negócios da empresa apenas moderadamente, mas a investigação prolongada, combinada com outros fatores, pesou em sua qualidade de crédito", avalia Zurita.

Segundo a Moody's, a corrupção tem efeitos variados sobre a qualidade de crédito das empresas, que dependem de outras características creditícias das companhias, da gravidade dos caso de corrupção e do impacto financeiro de multas e penalidades.

Medidas de combate à corrupção são positivas no longo prazo porque ampliam a transparência, atraindo investimentos e melhorando o acesso ao financiamento, pondera a Moody's. Por outro lado, os riscos de crédito relacionados a esses esforços são maiores para estatais e empresas privadas, particularmente no curto a médio prazos.

"Embora as estatais sejam particularmente suscetíveis à corrupção, as empresas privadas estão mais sujeitas a serem alvo de medidas porque é improvável que os governos tomem ações agressivas contra estatais grandes e estrategicamente importantes", diz Christian Plath, vice-presidente da agência. 

Tudo o que sabemos sobre:
economiacorrupçãoPetrobrásMoody's

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.