Combate a desperdício de energia foi exemplo pessoal, diz Lobão

Nota do ministério esclarece entrevista ao 'Wall Street Journal' e ministro volta a descartar risco de apagão no País

AYR ALISKI / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

29 de março de 2014 | 02h07

Diante da repercussão que teve a entrevista do ministro Edison Lobão ao The Wall Street Journal, na qual falou sobre a hipótese de o governo lançar uma campanha de eficiência energética para encorajar a população a reduzir, voluntariamente, o consumo de energia, o Ministério de Minas e Energia divulgou ontem nota sobre o assunto e descartou risco de apagão.

A nota é dividida em quatro pontos. No primeiro deles, o ministério cita que, nessa entrevista, "o ministro de Minas e Energia reafirmou que, não obstante as atuais condições climáticas desfavoráveis, responsáveis pela redução do volume de água dos reservatórios de grande parte das hidrelétricas, o sistema elétrico brasileiro dispõe de equilíbrio estrutural capaz de garantir, sem restrições, o abastecimento do País".

No segundo tópico, diz o ministério: "O ministro afirmou que, independentemente do quadro atual, não se recusaria a recomendar à população que siga o seu exemplo pessoal de evitar o desperdício de energia, mas sem referir-se especificamente a qualquer evento".

Em terceiro lugar, o ministério afirma que, "para o período de realização da Copa do Mundo, o governo montou um plano especial para garantir as condições necessárias e adequadas ao atendimento de energia elétrica das 12 cidades-sede durante o evento, que inclui dupla alimentação proveniente de subestações diferentes, reforço da transmissão e geração, além de outras providências".

Ainda com o objetivo de reforçar que a segurança do setor elétrico nacional está sob forte atenção federal, a nota menciona, por fim, que "as condições de abastecimento de energia elétrica do País estão sendo monitoradas permanentemente pelo Operador Nacional do Sistema e pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE)".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.