Combate eficiente à inflação não requer juros altos, diz Mantega

O controle à alta de preços não exige juros elevados, defendeu nesta terça-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega, reafirmando que o Brasil depende da melhora do crescimento mundial para impulsionar sua economia.

REUTERS

07 de outubro de 2014 | 17h45

"O combate eficiente da inflação não requer juros tão elevados como os praticados no passado", disse o ministro em entrevista a jornalistas.

A conjuntura brasileira vem sendo marcada por baixo crescimento e alta inflação colocando a questão econômica no centro do debate eleitoral, na acirrada disputa entre a presidente Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição, e o candidato oposicionista, Aécio Neves (PSDB).

Em nova defesa da política econômica de Dilma, Mantega classificou o programa da oposição de "política conservadora neoliberal".

"Nós estamos com gradualismo e eles estão com tratamento de choque."

Mantega criticou as propostas econômicas de Aécio Neves, apresentadas pelo economista Armínio Fraga, dizendo que o combate à inflação defendido pela oposição vai gerar desemprego e recessão.

"Vai provocar recessão na economia. Poderá baixar a inflação, sim, mas não adianta nada."

O ministro comentou também a piora das projeções do crescimento global e do Brasil apresentadas nesta terça-feira pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), dizendo que a expansão do economia do país está diretamente relacionada ao desenvolvimento das economias avançadas.

O FMI reduziu sua previsão de crescimento para a economia brasileira neste ano a 0,3 por cento, ante a taxa de 1,3 por cento estimada anteriormente. Para 2015, o Fundo reduziu a projeção em 0,6 ponto percentual, a 1,4 por cento.

"Estamos com crescimento baixo", reconheceu Mantega. "Mas nossos fundamentos são sólidos", acrescentou.

Ele manteve a estimativa do governo de que o PIB brasileiro crescerá 0,9 por cento neste ano, projeção bem acima também da expansão de 0,24 por cento estimada por economistas, segundo boletim Focus do Banco Central.

(Por Luciana Otoni)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROMANTEGA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.