Combustíveis pressionam custo de vida da classe média em SP

O custo de vida para a classe média paulistana sofreu em março um aumento de 0,22%. A alta mais do que compensa a queda de 0,15% verificada em fevereiro, segundo o Índice do Custo de Vida da Classe Média (ICVM), da Ordem dos Economista do Brasil. Mas, na comparação com janeiro, quando o índice subiu 0,72%, as despesas do consumidor de classe média recuaram 0,50 ponto porcentual. O ICVM é calculado com base nas despesas correntes das famílias residentes na cidade de São Paulo e que percebem uma renda mensal de 10 a 40 salários mínimos. Com a variação de março, o ICVM passou a acumular no ano alta de 0,79% e nos 12 meses encerrado no mês passado elevação de 3,16%. O setor de Transportes puxou a alta do Índice. O resultado deve-se principalmente aos preços dos combustíveis (álcool 13,61% e gasolina 3,75%) e do licenciamento dos automóveis (4,15%). O preço dos transportes urbanos apresentou redução (- 0,53%) em virtude da alteração do sistema de integração trem-metrô-ônibus. Já a maior queda foi apresentada pelo grupo Alimentação, que teve deflação de 0,74%. Preço de roupas começa a pressionar inflação Apesar da redução média nos preços de vestuário, de 0,30%, já é possível identificar uma tendência de alta no preço dos agasalhos (0,77%, em média) e de alguns itens como calça feminina (1,24%), que já refletem os preços de entrada da coleção outono-inverno nas lojas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.