Combustíveis sobem mesmo sem reajuste da Petrobras

Mesmo sem a Petrobras reajustar os combustíveis diante da alta do preço internacional do petróleo, esses produtos já estão em alta, segundo a pesquisa do Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). No atacado, o grupo "combustíveis e lubrificantes" saiu de uma deflação de 0,80% em abril para uma alta de 1,93% em maio.O álcool, que teve deflação de 12,89% em abril, subiu 7,93% este mês. A gasolina, que estava negativa em 1,77%, também passou a registrar inflação de 0,59%. O álcool influencia o preço da gasolina devido à mistura de 25% autorizada pelo governo.No varejo, a gasolina continua em deflação. Apesar disso, a queda de preços da gasolina diminuiu de 1,46% em abril para 0,63% em maio. Já o álcool combustível, que teve uma redução de 11,77% em abril, passou para uma inflação de 0,08% em maio.A mudança nos combustíveis foi a principal responsável pelo grupo "transportes" no varejo ter saído de uma deflação de 0,55% no mês passado, para uma alta de 0,04% este mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.