Comcast compra Time Warner por US$ 45 bilhões

Negócio, anunciado ontem, cria gigante na indústria de mídia dos Estados Unidos

David Gelles*, The New York Times/O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2014 | 02h07

A Comcast, maior operadora de TV a cabo dos Estados Unidos, quer crescer ainda mais. Já dominante entre as empresas que oferecem serviços de televisão pagos a consumidores americanos, a Comcast anunciou ontem um acordo com o conselho executivo da Time Warner, criando uma gigante que deve dominar a indústria da mídia.

É o segundo negócio transformador estabelecido pela Comcast nos últimos anos, fechado poucos meses após a conclusão da compra do estúdio de cinema e TV NBC Universal. Se concluído, pode afetar consumidores de todo o país, embora dificilmente reduza a concorrência em muitos mercados.

Descrevendo o negócio como "uma transação amigável com troca mútua de ações", a Comcast vai adquirir 100% das 284,9 milhões em ações disponíveis da Time Warner Cable, num acordo avaliado em cerca de US$ 45,2 bilhões.

Com o negócio, os acionistas da Time Warner Cable ficarão com aproximadamente 23% das ações comuns da Comcast.

"Os benefícios financeiros são atraentes e vão gerar resultados sustentáveis por anos", disse ontem o diretor executivo da Comcast, Brian Roberts.

A Comcast está também ampliando seu programa de recompra de ações para US$ 10 bilhões, medida que deve compensar a diluição provocada pela emissão de tantas ações novas como parte do acordo.

Competitividade. Comcast e Time Warner Cable não competem em nenhum mercado, o que significa que nenhum consumidor verá suas opções de provedores de serviço serem diminuídas como consequência do acordo.

"Não operamos nos mesmos códigos postais", disse Roberts. "Acreditamos que essa transação será aprovada. Ela favorece o consumidor e a competitividade, sendo de grande interesse do público." Mesmo assim, cerca de 8 milhões de clientes atuais da Time Warner Cable vão se tornar clientes da Comcast. Isso pode ser bom para esses consumidores, pois a Comcast é vista como líder da indústria em termos da oferta de um serviço de televisão e internet de alta qualidade, enquanto a Time Warner Cable é conhecida por suas deficiências no serviço ao consumidor.

No caso dos 3 milhões de clientes que a Comcast pretende abandonar, a prestação do serviço deve ser assumida por operadoras locais como Cox, Cablevision e Charter Communications.

A Comcast vai adquirir uma rede de aproximadamente 8 milhões de assinantes, somando um total de aproximadamente 30 milhões de clientes.

Em comunicado à imprensa, a Comcast destacou que, após o acordo, teria menos de 30% do mercado de TV paga dos EUA.

Executivos da Time Warner Cable também disseram que a jogada beneficiaria seus assinantes.

"Pessoalmente, nunca é fácil ceder o controle de sua empresa", disse Rob Marcus, diretor executivo da Time Warner Cable. "Mas, nesse caso, a decisão faz todo o sentido." É quase certo que a fusão deve acabar com uma prolongada batalha pela aquisição da Time Warner Cable, que interessava também à Charter Communications. No mês passado, a Charter propôs comprar a Time Warner Cable por US$ 132,50 por ação, oferta recusada pela Time Warner.

O acordo de fusão entre Comcast e Time Warner Cable também está sujeito à aprovação por parte dos acionistas de ambas as empresas.

TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.