Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Começa nesta segunda-feira novo serviço de cobrança bancária

Débito Direto Autorizado (DDA) promete dar mais segurança nas operações e reduzir o consumo de papel

AE, Agencia Estado

19 de outubro de 2009 | 10h09

Entra em operação nesta segunda-feira, 19, o Débito Direto Autorizado (DDA), o novo serviço de cobrança eletrônica de boletos bancários, que promete dar mais segurança nas operações entre bancos e reduzir o consumo de papel. Pessoas físicas e empresas passarão a ver os boletos de contas a pagar pela internet e caixas eletrônicos dos bancos. O pagamento pode ser feito automaticamente por esses canais, mas não é obrigatório.

 

Veja também:

linkMais de 1 milhão se cadastraram no DDA, afirma Febraban

especialEntenda como funciona o DDA

Na primeira etapa do projeto, que consumiu um investimento inicial de R$ 20 milhões da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), os clientes poderão receber eletronicamente boletos de condomínios, cartão de crédito, planos de saúde, mensalidades escolares, entre outros. Nesta etapa, tributos a pagar e contas de água, luz, gás e telefone ficarão fora. A adesão ao sistema é facultativa.

Os interessados em receber suas contas por meio do novo sistema precisam se cadastrar nos bancos onde têm conta, o que pode ser feito nas agências, nos sites dos bancos, por atendimento telefônico e nos caixas eletrônicos.

Uma vez emitidos os boletos pelo sistema, o banco no qual o pagador se cadastrou realizará uma busca, no DDA, de todos os boletos de cobrança de seu cliente e os colocará disponíveis para consulta, por meio do site e do caixa eletrônico. O pagamento só é feito se autorizado pelo cliente, o que diferencia o DDA do já conhecido débito automático. Não será possível imprimir um boleto exibido pelo DDA para efetuar o pagamento em qualquer banco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
boletobancárioDDAbancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.