Comercial da Fiat causa protestos em Taubaté

Uma família chega ao Cristo Redentor de Taubaté e faz pose para a foto, como se estivesse no Rio de Janeiro. Ao fundo, o locutor anuncia: "Você quase chegou ao Rio de Janeiro", sugerindo que, não sendo dona de um automóvel da marca Fiat, a família quase conseguiu seu objetivo de passar as férias na Cidade Maravilhosa.

João Carlos de Faria, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2010 | 00h00

A propaganda inusitada da fabricante de automóveis está causando polêmica na cidade de Taubaté, a 140 quilômetros da capital paulista, onde alguns vereadores já se propõe até a preparar uma moção de repúdio à Fiat, para ser votada na sessão da próxima quarta-feira.

Membros da Comissão de Educação, Cultura e Turismo, como o vereador Luiz Gonzaga Soares (PR), consideram a propaganda de mal gosto. "Denigre a imagem da cidade", disse ele. O presidente da Câmara, vereador Henrique Nunes (PV), não concorda com o colega e aprova o comercial. "Pode ser uma coisa boa para Taubaté, que é um epicentro turístico, pois estamos muitos próximos de cidades serranas, do Litoral Norte e de Aparecida", disse ele.

Religião. A vereadora Polyana Gama (PPS), que também faz parte da Comissão, disse que só vai assinar a moção se o protesto considerar o aspecto religioso da questão. "A propaganda pode ter sido infeliz, ao se utilizar de um símbolo religioso", afirmou. Para ela, se a proposta é comparar Taubaté com o Rio de Janeiro, é válida e pode despertar a curiosidade dos turistas.

A diretora do Departamento de Cultura, Meio Ambiente e Turismo (Dematuc), da prefeitura local, Cíntia Manfredini acha que a situação é favorável para a cidade. "Não acho que vá denegrir a imagem, comparando um atrativo nosso com um dos mais importantes atrativos turísticos nacionais", afirmou. Seu parecer tem o apoio do Conselho Municipal do Turismo (Comtur).

A Fiat informou que o comercial não está mais sendo veiculado e que a campanha não faz nenhuma associação à cidade de Taubaté, mas apenas mostra um monumento que não é o Cristo Redentor, do Rio de Janeiro, mas sim uma réplica comum a várias cidades brasileiras, podendo ser entendida como uma homenagem à Taubaté.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.