coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Comércio Brasil-Angola supera US$ 1 bi neste ano, diz Lula

Em seu última dia de viagem pela África, presidente destaca "boom" econômico de Angola

Leonencio Nossa, do Estadão,

18 de outubro de 2007 | 09h38

No quarto e último dia de sua sétima viagem pela África, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou, nesta quinta-feira, 18, o "boom" econômico de Angola, maior nação de língua portuguesa do continente. Em discurso no palácio do governo, Lula lembrou que o fluxo comercial entre Brasil e Angola ultrapassou US$ 1 bilhão de dólares entre janeiro e julho deste ano. Depois de uma guerra civil de 27 anos, encerrada em 2002, Angola cresce a um ritmo de 18% ao ano, segundo o presidente, José Eduardo dos Santos. O país está reconstruindo sua infra-estrutura com o dinheiro do petróleo, que começa a ser explorado por companhias nacionais e estrangeiras. "Desde minha última vinda (em 2003), nosso comércio aumentou quase 5%, com exportações angolanas anuais de US$ 460 milhões de dólares", disse Lula. Uma linha de crédito anunciada recentemente pelo governo Lula prevê US$ 1 bilhão para obras de empresas brasileiras em Angola em estradas, habitação, saneamento básico e energia. A estatal brasileira Petrobras é uma das empresas que mais investem no país. A comitiva de Lula inclui representantes das maiores empreiteiras do Brasil, que estão de olho no dinheiro do petróleo angolano. O embaixador de Angola em Brasília, Leovigildo da Costa e Silva, disse que o Brasil é o maior fornecedor de matéria-prima para a reconstrução de Luanda e outras cidades do país. Ele ressaltou que os brasileiros, porém, não conseguem atender a crescente demanda por cimento.  As dezenas de obras na capital angolana tornam ainda mais caótico o trânsito em Luanda, uma cidade onde são precárias as condições de habitação e saneamento básico. Grandes prédios abandonados durante a guerra civil foram invadidos por famílias, transformando-se em favelas verticais. Na recepção a Lula, o presidente José Eduardo dos Santos destacou que o país oferece boas condições para investidores, especialmente pela estabilidade política, a paz e a consolidação das instituições democráticas. Santos, no entanto, está no poder desde 1979. Ele justifica a longa permanência pelo período de guerra civil. Mas o conflito terminou há cinco anos. O presidente diz que vai convocar eleições para 2009. A última vez que os angolanos foram às urnas escolher o presidente ocorreu em 1992. Lula terá compromissos oficiais durante todo o dia em Luanda. O retorno dele a Brasília está previsto para as 18 horas, 15 horas no Brasil. No sétimo giro pelo continente africano, Lula passou também por Burkina Faso, República do Congo e África do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.